sexta-feira, 30 de abril de 2010

Utilidade Pública: SMS não pode!

katia maia

Atenção. Se você tem um telefone celular e está cansado daquelas mensagens na telinha do seu aparelho anunciando isso e aquilo mais que não tem nada a ver com você, ou, que até tem, mas você não pediu para saber. A partirde amanhã, as operadoras de celular só poderão enviar mensagens publicitárias ou propagandas aos clientes que autorizarem. A determinação é da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

As maiores operadoras do país, TIM, OI, Vivo e Claro, informaram em nota que já seguem a determinação. Elas dizem que só mandam as mensagens para quem autoriza e prometem seguir as recomendações. No mesmo documento em que define as regras sobre mensagem (Com informações do G1)

Contas públicas no vermelho

katia maia

O setor publico fechou março no vermelho e apresentou o pior resultado da história para o período. No mês, governo, estados, municipios e estatais apresentaram um déficit de 216 milhões de reais.
Desde setembro de 2009 que essa valor não era negativo e no acumulado do ano, apesar do total ficar positivo em 16,2 bilhões, o resultado é o pior para o trimestre desde 2002, quando começa a série histórica do Banco Central.
O mal desemenho, segundo a autoridade monetária, reflete o alto pagamento de precatórios e sentenças judiciais, que no ano, somam 6,7 bilhões.
Para o chefe do departamento economico da instituição, Altamir Lopes, o resultado de março "não foi bom". Apesar disso, ele prevê uma recuperação a partir de abril.
Segundo altamir, a melhora da atividade economica tem gerado aumento de receita. Ele admitiu que o superavit primairo, que é a economia que o governo faz para pagar os juros da dívida, em doze meses está em 1,94% do PIB, "bem distante da meta do governo que é de 3,3%". Altamir aposta entretanto que haverá a partir de agora uma melhora expressiva nas receitas que deve refletir no indicador.

"Até agora, com 1,94% estaria evidentemente mais voltado ao cumprimento da meta utilizando os descontos dos valores vinculados a investimentos do PAC. Mas a expectativa que se tem é de melhora expressiva do indicador ao longo do ano", afirmou

A relação Dívida/PIB em março aumentou. No período, a Dívida Líquida do setor público ficou em R$ 1,366 trilhão, o equivalente a 42,4% do PIB. Esse resultado é 0,3 ponto percentual maior do que no mês anterior.

O indicador mede a saúde financeira de uma economia e quanto menor melhor. Segundo o banco Central, a partir de abril a relação dívida/PIB começa a cair e deve retornar aos 42%. Reflexo, segundo Altamir Lopes, do superativ primario que, na avaliação dele, em abril será melhor vinculado ao aumento da arrecadação que no período tende a crescer principalmente por causa do ajuste de contas do contribuinte com o Imposto de Renda.

Repórter CBN

CBN - A rádio que toca notícia - Economia

Foi a danada da consciência!

katia maia

Ontem, (re)enviei a minha declaração do Imposto de Renda. Eu explico. Eu havia feito o ajuste de contas com o leão de forma, digamos mais simples. Não incluía 'certos' detalhes que eu achava injusto que fossem declarados como rendimentos.

Eu explico de novo. há uma coisa muito desigual nesse processo de ajuste de contas com a Receita Federal. Olha só: no ano passado inteiro, eu recebi 'como rendimentos' o aluguel de dois imóveis que tenho em Brasília. Nada grande, nada especial, um apartamento próprio e uma sala comercial. Juntos, me deram uma renda de R$2 mil mensais. Não é pouco, não é muito.

Acontece que, desse total, eu tive que pagar, mensalmente, um aluguel no valor de R$ 1,4 mil. Fazendo as contas, na ponta do lápis, o meu rendimento real dessa brincadeira toda era, na verdade de R$600,00. Esse deveria ser o valor a ser tributado pelo leão. afinal, esse foi o que eu recebi como renda.

mas, não é assim que funciona. Se você paga aluguel ou não, a Receita não quer nem saber. O négocio dela é saber quanto entrou na sua conta e aí, eu entrei pelo cano.




na hora do desespero

Desde que comecei a trabalhar, sempre, tive direito a restituição. Esse será o primeiro ano em que o meu acerto de contas me fará pagar imposto. Tudo porque tive a 'infeliz' idéia de alugar os dois imóveis e alugar um melhor. agora, na boa, é justo?

Primeiro fiz minha declaração da forma como eu achava que seria justo para mim, depois, retifiquei e a deixei na medida em que minha consci~encia me alertou e que a Receita certamente iria me cobrar. Melhor deixar tudo certinho. Não consigo ser tão frio a ponto de burlar e ficar tranquilo. Infelizmente não é aregra. E aqui não estou querendo ser 'a certinha' ou 'demagoga'. Não. Certinha não sou mesmo, e quem me conhece sabe que tenho lá meus arroubos. E demagoga... bem, esse deixo para uma minoria que insiste em comandar esse país.


///~..~\\\

O homem 'tá se achando'

Folha de S. Paulo
Política externa se fortalece com lista, diz Planalto
KENNEDY ALENCAR

Na avaliação do presidente Lula, a escolha dele como um dos líderes mais influentes do mundo ajuda a responder a críticas internas e externas que ele recebe pela orientação da política externa em relação ao Irã e a Honduras.

Segundo um auxiliar direto do presidente, nesses dois episódios o Brasil tem posição diferente da dos Estados Unidos. Quando uma publicação de prestígio como a "Time" inclui Lula entre os cem mais influentes, há um efeito, diz, favorável às posições brasileiras, apontadas como ingênuas ou radicais.

No caso do Irã, os EUA acham que o Brasil é usado pelo país para ganhar tempo para construir uma bomba nuclear. No de Honduras, Washington julgou que Brasília foi dura demais com opositores de Manuel Zelaya, presidente deposto.


O homem 'tá se achando' o dono da bola

Do ponto de vista eleitoral, Lula crê que a boa imagem internacional contribui para sua condição de cabo eleitoral de Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à sucessão.

No embate com a oposição brasileira e com os países que discordam da política externa, Lula usará a escolha da "Time" como forma de mostrar que suas posições não têm uma leitura externa negativa. Resumindo: Lula vai explorar a notícia fora e dentro do Brasil.

Segundo um ministro, foi inteligente a reação do pré-candidato do PSDB, José Serra, que parabenizou Lula.

Ontem, em seu pronunciamento do Dia do Trabalho, Lula disse que espera que os brasileiros saibam defender o modelo de governo petista.

Sem citar as eleições ou Dilma, ele afirmou, em cadeia de rádio e TV, que o povo "sabe escolher", por isso vai continuar a conduzir o Brasil "no rumo certo".

Lula também aproveitou para alfinetar a oposição, que ele acusou de se contentar com o "crescimento medíocre" da economia e de se conformar "diante da exclusão social e da injustiça".

Em comemoração dos 37 anos da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), também ontem, Lula disse que o brasileiro é o "mais purificado". "Somos o resultado de uma tríplice mistura, ou seja, uma genética purificada em três continentes que resultou no povo que somos. Não sei se tem povo igual, melhor não tem, mais purificado não tem."

Lula dará uma 'tour'binada em Dilma

da Folha de São Paulo

Após tropeços, Lula fará "tour" com Dilma

Presidente pede calma a integrantes da campanha petista e prepara viagens em tom de "despedida" pelo país, depois da Copa

Repercussão negativa no noticiário e pesquisas que mostram Serra na dianteira causaram início de tensão na equipe da pré-candidata


VALDO CRUZ


O presidente Lula já definiu uma das estratégias para tentar vitaminar a candidatura de Dilma Rousseff a partir de julho: fará, depois da Copa, viagens em tom de despedida pelo país, quando dirá que a ex-ministra é a única que dará continuidade às políticas de seu governo.
Além disso, Lula confidenciou a aliados que prepara uma "série de atos de impacto" para buscar uma virada na eleição, mantidos em sigilo por enquanto. Tudo, porém, está reservado para acontecer depois da Copa. O presidente tem insistido que a eleição só começará após os jogos na África do Sul e que não adianta ter "ansiedade" nessa fase da campanha.
Nos últimos dias, Lula tem pedido calma aos integrantes da campanha de Dilma, diante do início de tensão provocado pelo que classificam de noticiário negativo e pelos resultados das últimas pesquisas, mostrando o tucano José Serra entre sete e dez pontos percentuais à frente da petista.
Lula disse a Dilma e sua equipe que eles não precisam entrar em "crise" na eventualidade de a ex-ministra cair nas próximas pesquisas -ela está na casa dos 30%. Ele lembra que, em 1994, tinha cerca de 40% nessa época, enquanto FHC atingia em torno de 10%. Depois, ancorado no Plano Real, o tucano virou e ganhou no primeiro turno.
Nas conversas, o presidente tem dito que seu governo será a "âncora de Dilma" e vai garantir sua virada quando a eleição começar de fato. Lula tem resistido a atender apelos do comando de campanha para fazer mais viagens ao lado da ex-ministra. Para o petista, ele não pode "banalizar" sua presença ao lado de Dilma nessa fase, quando boa parte do eleitorado ainda não está ligado na disputa. Seria "gastar munição".
Na visão de Lula, Dilma deve dar prioridade nesse momento a treinamentos com sua equipe visando se preparar para programas de TV e rádio, buscando usar uma linguagem "mais simples e direta, frases curtas e evitar termos técnicos".
O presidente avalia que os erros atuais não são graves e que Dilma já evoluiu. Os deslizes, porém, não poderiam se repetir na fase oficial de campanha, principalmente nos debates.

A volta por cima (de novo)

Dia a Dica de cinema

katia maia

Começo o dia falando novamente de 'superação'. Antes de entrar no noticiário economico e político, me dei ao luxo de ler sobre a estréia de hoje nos cinemas, 'O Homem de Ferro 2'.
E resolvi ler exatamente a matéria que fala de Mickey Hourke. Ele que foi ídolo e símbolo sexual da minha geração, que fez muita adolescente suspirar com '9 e 1/2 semanas de amor', agora reafirma sua voltas às telas.
Rourke havia sumido da telinha durante anos. Caiu num submundo paralelo de lutas e filmes de quinta categoria. Foi alijado e execrado pela crítica. Até que, em 2008, voltou às telas com o filme 'O Lutador'.
Uma história que se confundia com a dele e que lhe resgatava do universo paralelo em que havia se metido. Agora, está de volta com o 'Homem de Ferro 2'. Um exemplo de que as coisas, depois detudo, podem dar certo.
Boto fé!
Vou conferir o filme nesse fim-de-semana e depois falo se foi bom.

Abaixo, segue a matéria de Fernanda Ezabella, da Folha de São Paulo


Sotaque russo nocauteia Mickey Rourke em "Homem de Ferro 2"

FERNANDA EZABELLA
enviada especial a Los Angeles

Foram muitos os desafios de Mickey Rourke para entrar no personagem Ivan Vanko, o vilão de "Homem de Ferro 2", estreia de hoje. O mais difícil deles, no entanto, não foi se transformar no terrível Chicote Negro, e sim aprender o sotaque russo, até hoje criticado por sua namorada russa.

"Foi muito difícil, trabalhamos [eu e um especialista] três horas por dia por cerca de três meses, cinco dias por semana. Eu pedia minha comida por telefone em russo e ainda assim eles não me entendiam", contou o ator a jornalistas na semana passada, no lançamento do filme em Los Angeles. "Minha namorada odiava meu sotaque."

Rourke, que ficou famoso nos anos 80 com filmes como "9 1/2 Semanas de Amor", vive uma volta triunfante ao cinema, depois de um período conturbado como lutador de boxe profissional e filmes de baixa qualidade. Foi com "O Lutador" (2008) que ele passou a ser respeitado de novo, conseguindo até uma indicação ao Oscar.


AP/Paramount Pictures
Mickey Rourke em cena de "Homem de Ferro 2", que estreia  nesta sexta-feira
Mickey Rourke em cena de "Homem de Ferro 2", que estreia nesta sexta-feira

"Fiquei muitos, muitos anos sem trabalhar, achei que nunca mais fosse trabalhar. Graças a Deus estou tendo uma segunda chance, fico muito feliz. Porque tem caras lá fora que são bons atores e não têm uma segunda chance", disse. "Agora eu tenho que dar conta de ficar quieto e me comportar. Não é fácil, mas está ficando mais fácil."

Pássaro

Em "Homem de Ferro 2", ele faz um russo vingativo, cujo pai ajudou o pai de Tony Stark (Robert Downey Jr.), o Homem de Ferro, mas foi deportado dos EUA e caiu em desgraça na Rússia.

Ao ser perguntado se ele também guardava rancor, como Ivan Vanko, Rourke foi categórico: "Sim, muito."

"Quer saber, eu guardei [rancor] por muito tempo e percebi que no final era problema meu. Às vezes, tinha uma batalha acontecendo, mas, como meu psiquiatra dizia, era só coisa da minha cabeça", disse o ator de 57 anos.

Para fazer o vilão do filme, que carrega chicotes elétricos poderosos, o ator fez um treinamento pesado e teve que perder 11 quilos. Por alguns meses, subia na esteira para correr e andar com uma veste de quase 20 quilos e chicotes velhos para treinar os movimentos.

No filme, ele tem um pássaro de estimação, que carrega de um lado para o outro. "Estava procurando alguma coisa para o personagem. Ele não teria tempo para um cachorro, provavelmente não gosta de gatos. Pensei que um pássaro teria a ver. Ele é um cara muito isolado, então seria alguém para ele conversar enquanto trabalhasse."

Um dia antes das entrevistas, a reportagem da Folha conversou com Rourke no bar de um hotel em Los Angeles. Ele mandou lembranças aos amigos Vitor Belfort e Minotauro, lutadores brasileiros. Como ainda não tinha visto o filme pronto, o ator perguntou se tinham mantido as cenas com o pássaro. "Eu avisei, se eles cortassem as cenas com o pássaro, eu não ia nem ajudar a promover o filme", disse.

O diretor Jon Favreau comentou que Rourke queria que seu personagem tivesse "um lado doce", por isso a ideia do animal, apesar de todas as tatuagens malfeitas, cabelo ensebado e dedos sujos de graxa. "Mickey é um cara engraçado, mas quando é hora de trabalhar, o set fica silencioso, ele entra no personagem, se veste, coloca suas coisas... foram dias intensos com ele", disse Favreau.

Quando perguntado pelos jornalistas que tipo de poder de super-herói gostaria de ter na vida real, Rourke não hesitou: "Queria poder desaparecer".

Megan Fox

Os próximos trabalhos de Rourke incluem viver o imperador mongol Gêngis Khan em filme recém anunciado. Ele também já gravou "Passion Play", com Megan Fox, atualmente em pós-produção.

"Ela é muito divertida e muito legal de trabalhar... e de se olhar também. Mas ela realmente fazia a lição de casa, estava a altura do desafio", disse o ator. "As pessoas vão ter uma percepção diferente dela agora."

No filme, ele faz um trompetista viciado em heroína, que conhece uma menina no carnaval que tem asas de verdade. "É um filme estranho", disse. "Aprender a tocar foi mais difícil. Penei mais no trompete do que na heroína."

A jornalista Fernanda Ezabella viajou e se hospedou a convite da Paramount Pictures

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Cuidado com o leão!

Quando ele morde, a dor é grande: no bolso!

Katia Maia

A Receita Federal vai chamar 500 cotribuintes do Distrito Federal para explicar suas decarações de imposto de renda. eles foram pegos pela operação Risco Duplo deflagrada pela Receita em conjunto com a Policia Federal, nesta quinta-feira.

A recieta chegou até eles depois que seu grupoo de inteligência detectou três escritórios de contabilidade, de porte médio, do DF que estavam orientando seus clientes a fazer deduções falsas principalmente com saúde, previdência privada e educação.

Ao todo, as fraudes devem chegar a R$ 100 milhões e segundo o secretário de fiscalização da Receita, Marcus Vinícius, os sonegadores chegavam a declarar cinco planos de saúde, dez dependentes e coseguiam restituições de até R$ 50 mil.

A Receita vai intimar os envolvido e se eles não comprovarem as deduções, os sonegadores terão que pagar o valor equivalente ao imposto não declarado e ainda multa de 150% sobre o que foi omitido.

O crime de sonegação está previsto na legislação penal e é considerado crime contra o sistema tributário. A pena nesse caso chega a cinco anos de prisão. Mas, segundo o próprio secretário, isso (a prisão) nunca acontece, porque geralmente o infrator paga a multa e o imposto devido para se livrar da pena. Segundo a lei, o pagamento cessa a infração.

A receita começou pelo distrito Federal, mas avisa: vem mais operação risco Duplo em outros pontos do país.

A igreja sempre se intrometendo!

CNBB critica adoção de crianças por gays

Da Folha de São Paulo

Entidade se diz contra decisão do STJ que garante direito a homossexuais; "nem sempre o que é legal é moral e ético", afirma.
Pastor evangélico tem posição semelhante à da Igreja Católica; para Federação Espírita Brasileira, o mais importante é o amor


A adoção por casais gays, direito reconhecido em decisão inédita anteontem pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), tira da criança a possibilidade de crescer em um ambiente familiar formado por pai e mãe, afirma o padre Luiz Antônio Bento, assessor da comissão para vida e família da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).
Nem sempre o que é legal é moral e ético, afirma ele. "Cremos que a questão da adoção por casais homossexuais fere o direito da criança de crescer nessa referência familiar."
Para padre Bento, as crianças têm o direito de conviver com as figuras masculina e feminina no papel de pais.
A decisão do STJ tratou do caso específico de duas mulheres de Bagé (RS) e pode influenciar processos futuros. O caso será analisado pelo Supremo Tribunal Federal.
O pastor Paulo Freire, presidente do conselho de doutrina da igreja evangélica Assembleia de Deus, tem posição semelhante a do padre Bento.
"A criança precisa da figura do pai e da mãe para entender a vida", afirmou.
Para Freire, a instituição não é contra homossexuais. "Somos contra o casamento deles." Continua e diz que a existência de dois pais ou duas mães confunde a criança sobre as figuras tradicionais da paternidade.
"Se a criança não tem um pai e vive só com a mãe, sabe, mesmo assim, o que é a figura do pai. O casal homossexual que adota, foge disso", diz o pastor.
A FEB (Federação Espírita Brasileira) discorda de que a adoção por um casal gay pode ter efeitos negativos sobre a criança. "O mais importante em termos de educação e família é o amor. Com ele, não se entra na questão da sexualidade", disse Geraldo Campetti, diretor-executivo da FEB.
Para Campetti, o importante é a preservação da família e a formação do caráter. "O maior problema das uniões é a promiscuidade, tanto em relações entre homem e mulher quanto em relações entre pessoas do mesmo sexo."
Para Toni Reis, presidente da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), as críticas à decisão do STJ incitam o preconceito. "Casais de homem e mulher com filhos representam hoje 50% das famílias. Filhos criados com avó, pais e mães solteiros... todos, então, têm problemas?", critica.

Brasileiro, o mais curioso!


Brasil é líder em solicitações de retirada de informações do google
Folha de S. Paulo

O Brasil é o líder no ranking dos países que mais pedem a retirada de conteúdos ou informações sobre usuários da ferramenta de buscas na internet Google. Até a sexta-feira, a página www.google.com/governmentrequests indicava 291 requerimentos de remoção de publicações e 3.663 pedidos de dados sobre clientes de serviços ou produtos da ferramenta de procura na web.

Adeus Mc Lanche Feliz!


Do site Blue bus
Adeus, brinde do McLanche Feliz, nova lei nos EUA quer lanches sem brinquedos
Uma lei proposta por políticos da Califórnia está banindo os brinquedos que acompanham os lanches direcionados às crianças, como o McLanche Feliz. Pelo menos nos altamente calóricos – segundo as orientaçoes, a refeiçao precisa ter menos de 485 calorias para vir com um brinde. Já que os bonecos e afins acabam incentivando uma alimentaçao nao saudável, a escolha agora fica entre a batata frita ou o brinquedo. Quem optar por refeiçoes que incluem frutas, frango e outros alimentos com menos calorias pode levar o brinde pra casa. A nova lei, por enquanto, é válida apenas para 1 regiao do estado norte-americano.

Alguém se habilita?

Valor Economico
O governo federal deverá investir cerca de R$ 3,5 bilhões em recursos do Tesouro Nacional na empresa que ficará responsável por implementar o Plano Nacional de Banda Larga. De acordo com o secretário de logística e tecnologia da informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna, o dinheiro será aplicado nos três primeiros anos do plano para fazer as redes principais, chamadas de "backbones", e as redes hierárquicas, os "backhauls".

"Depois disso, o negócio se torna rentável e passa a se autofinanciar", disse o secretário. O investimento total pode chegar a R$ 6 bilhões. Santanna também explicou que existem, potencialmente, mais R$ 5 bilhões em incentivos para a indústria brasileira, em forma de renúncia fiscal ou financiamentos do BNDES.

E agora josé?

''Sarney'' aparece em caixa 2 de Arruda
Operação Caixa de Pandora. Documento de contabilidade paralela registra a anotação de um valor e quanto teria sido de fato pago - '250/150 PG' -, mas apontamento isolado do nome não permite indicar a quem da família do senador supostamente se refere

O Estado de S.Paulo
Um documento da contabilidade de caixa 2 da campanha do ex-governador José Roberto Arruda lista o nome "Sarney". A anotação manuscrita foi feita pelo próprio Arruda, como comprova perícia feita a pedido do Estado. À frente do nome "Sarney", o documento registra a anotação de uma quantia e quanto teria sido efetivamente pago: "250/150 PG".

O apontamento isolado do nome "Sarney" não permite indicar a quem da família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), supostamente se refere. Segundo a perícia, as letras "PG" foram escritas pelo tucano Márcio Machado, um dos arrecadadores do caixa 2 do governador cassado que, depois de vencida a eleição, virou secretário de Obras do Distrito Federal.

Em janeiro de 2007, no mês em que Arruda (ex-DEM, hoje sem partido) tomou posse, o secretário Márcio Machado esqueceu em cima da mesa de uma emissora de televisão, em Brasília, duas planilhas. A primeira, publicada pelo Estado no dia 4 de dezembro do ano passado, continha os nomes de 41 empresas que teriam doado para o esquema de caixa 2 da campanha de 2006 do então candidato do DEM ao governo do Distrito Federal. Machado admitiu que era o autor das anotações.

A segunda planilha, com nove nomes, é que foi submetida ao laboratório de perícia de Ricardo Molina. O perito afirma que foi escrita pela mão do ex-governador Arruda a relação de cinco desses nove nomes onde, na quinta anotação, aparece "Sarney - 250/150 PG". Para chegar a essa conclusão, Molina comparou o documento da contabilidade do caixa 2 com uma carta escrita recentemente por Arruda, também de próprio punho, no dia 11 de fevereiro. A carta, com horário registrado das 17 horas e intitulada "Aos amigos do GDF", foi escrita minutos depois de Arruda ter a prisão decretada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).(reportagem completa em O Estadão)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

judiciário e executivo a favor do sexo!

Vamos Amar!

Katia Maia

O Superior Tribunal de Justiça, STJ, derrubiu hoje a patente do viagra. Bom, me desculpem, mas é inevitável a co-relação entre mais essa notícia com a divulgada na segunda-feira por nosso ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

Realmente, parece ação orquestrada. Primeiro, o ministro 'Temtesão', ops, Temporão aconselha aos brasileiros uma medida para lá de prazerosa para combater a hipertensão: sexo pelo menos cinco vezes por semana!

Agora, vem o STJ e quebra a patente do Viagra, o que permitirá que o medicamento genérico do dito cujo seja produzido no país já a parir do dia 20 de junho. Me desculpem, mas não dá para não pensar 'só naquilo'. Esse país está virando um perfeito paraíso para o sexo - que seja seguro, claro!

Com a queda da patente do viagra, a terceira idade, ou melhor idade, que se viu um pouco alijada das declarações do ministro, já que o medicamento não é assim tão acessível a todo velho e bom velhinho que sonha em seguir as recomendações do ministério da saúde, agora, pronto! Seus problemas acabaram.
Que felicidade! Que felicidade!

A indicação médica de fazer sexo pelo menos cinco vezes ao dia (ou seria por semana?) Bom não importa, tem que ser cinco finalmente chegou ao programa governamental da melhor idade. E aí, o velhinho que ficou matutando com os seus botões: - ah, se fosse cinco 'veiz' por ano já tava baum demais!- deu umpuvl da sua poltrona, no meio da tarde de uma quarta-feira, ao ver na TV a boa nova.
-
Agora, a idade dele será a melhor e muito mais proveitosa, com o medicamento indicado para a disfunção erétil amplamente vendido nas farmácias sob a chancela 'genérico'.

Aliás, palmas para o STJ que ontem aprovou a adoção de um criança por um casal lésbico gaúcho. Hum, vale pensar. Esse STJ está bem moderninho. Show. A história do casamento homosexual, eu deixo para falar depois.

P.S. todo esse movimento pró-sexo (seguro, claro) me lembrou a música do Chico Buarque, Vamos Amar, a qual reproduzo aqui na voz de Elza Soares.
///~..~\\\

~

terça-feira, 27 de abril de 2010

Façamos Sexo!

Katia Maia

Essa foi de ontem, mas vale (ainda) comentar aqui. Qual não foi a minha surpresa e diria até satisfação ao ouvir - primeiro no rádio (CBN, claro) depois na TV - que nosso ministro da Saúde, José Gomes Temporão, nos recomendou não só fazer mais sexo para abaixar e cuidar de nossa pressão arterial como praticá-lo pelos menos cico vezes na semana. Boa, muito boa.
Na campanha que o governo pretende lançar para alertar para os riscos da Hipertensão, sugiro a frase: O ministério da saúde recomenda: fazer sexo faz bem para a saúde.
Está na hora de alguém divulgar isso em campanha nacional. Tudo, claro com o devido cuidado para não atrapalhar a outra campanha de combate a Aids. Senão, o tiro, o melhor, o sexo, sai pela culatra.
E o ministro tem toda razão e todo o meu apoio. Quando se faz sexo, com prazer, claro, a vida fica mais colorida, o humor fica mais leve, os problemas se amenizam. A gente tende a ser menos arisco e sanguineo em nossos pontos de vista e fica mais disposto a ouvir, conversar, aproveitar a vida. Tudo porque, como já dizia a minha avó, no seu jeito brejeiro e simples de se expressar:
- parece que fulana foi feliz essa noite.
Portanto, sejamos felizes todas as noites, tarde, manhãs... Sim, porque se for para seguir o conselho do senhor ministro, teremos que fazer sexo cinco vezes ao dia!
Não ministro, eu não daria conta de tanta felicidade e acho que minha pressão que já e bem baixa - vive se arrastando que nem cobra pelo chão - iria desaparecer e o mal seria tão grande quanto não fazer sexo, ou maior.
A verdade é que felicidade atrai uma condição melhor para o nosso organismos e mau humor só impregna nosso corpo, espirito e mente.
Portanto, estou de pleno acordo com as palavras do minsitro do tesão, ops, Temporão:
além de cinco porções diárias de frutas e hortaliças, as pessoas deveriam fazer sexo cinco vezes por dia, quer dizer: cinco vezes por semana seria melhor.

Ah, e não vamos nos esquecer dosexercícios físicos, alimentação saldável e de medir a pressão, do sangue, não do dia a dia porque essa, a gente abstrai fazendo sexo.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Fé demais ajuda?

Essa, me fez lembrar o filme do Seteve martin: Fé Demais Não cheira Bem, em que ele vive o Reverendo Jonas Nightengale, um charlatão, que vai distribuindo a salvação em troca de uma doação, por onde passa com sua caravana.
Por isso, pergunto: fé demais ajuda?
confira na reportagem da Folha de São Paulo de hoje e tire suas prórias conclusões.

Presidenciáveis disputam voto evangélico


Pré-candidatos cortejam pastores em busca de apoio na campanha; protestantes já são 25% do eleitorado brasileiro

Serra e Dilma negociam alianças com Assembleia de Deus e Universal; única evangélica, Marina aposta na identificação com fiéis

de BERNARDO MELLO FRANCO - FSP

De olho num rebanho que já representa um quarto do eleitorado brasileiro, os pré-candidatos à Presidência iniciaram uma guerra de bastidores pelo apoio das igrejas evangélicas. A disputa para engajar bispos e pastores nas campanhas promete ser a mais acirrada desde a explosão do segmento religioso, na década de 1990.
À frente nas pesquisas de intenção de voto, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) investem na aproximação com as gigantes Assembleia de Deus e Universal, respectivamente.
Única evangélica na disputa, Marina Silva (PV) enfrenta dificuldade para fechar alianças formais, mas dedica parte expressiva da agenda a encontros com fiéis e líderes religiosos.
Desde outubro passado, os três concorrentes já bateram à porta do presidente da Convenção Geral da Assembleia de Deus, pastor José Wellington Bezerra da Costa. Ele lidera cerca de 10 milhões de seguidores, o equivalente à população do Rio Grande do Sul. Pouco conhecido fora dos templos, é considerado mais próximo de Serra, a quem apoiou no segundo turno de 2002.
"Serra sempre teve um canal muito forte conosco e mantém contato direto com o pastor José Wellington. Os dois conversam muito por telefone", afirma o pastor Lélis Marinho, relator do conselho político da Assembleia e responsável por negociar com os partidos.
Apesar do flerte tucano, o líder da igreja também tem sido cortejado pelos outros concorrentes. Há seis meses, ainda como chefe da Casa Civil, Dilma participou de sua festa de 75 anos, num templo em São Paulo. Orou com os fiéis e disse, no púlpito, que o governo Lula defendia "valores cristãos".
Fiel da Assembleia, Marina se reuniu com o conselho da igreja em março, em Brasília. Mas o fato de ser considerada um azarão deve impedir uma aliança. "Por ser da igreja, Marina seria nossa candidata de coração. Mas precisamos saber se sua candidatura foi lançada só para atender a interesses do partido", diz Lélis. "Vamos nos definir em junho, perto das convenções [partidárias]."
Vista com reservas em setores do meio evangélico, Dilma tem recorrido à ajuda de aliados como o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), bispo da Igreja Universal, e o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR), presbiteriano.
"Dilma tem posições pouco claras em questões sensíveis aos evangélicos, como a defesa da família e o aborto. Ela ainda precisa ser reconhecida como defensora das causas cristãs", disse Garotinho na noite de sexta-feira, quando chegava a um encontro com evangélicos na Baixada Fluminense.
A ex-ministra busca o apoio da Convenção Nacional da Assembleia de Deus, que contabiliza 5 milhões de seguidores. Seu líder é o deputado pastor Manoel Ferreira (PR-RJ), pré-candidato ao Senado na chapa de Garotinho. Ele simboliza a volatilidade das alianças "de fé": em 2002, quando o PSDB era governo, apoiou Serra no segundo turno. Em 2006, com o PT no poder, esteve com Lula.
Aliada do presidente em suas duas vitórias, a Universal é tida como certa na campanha de Dilma. O PRB, ligado à igreja, deve integrar a coligação. "A tendência é apoiar Dilma", diz o presidente do partido, bispo Vitor Paulo, que divide com Crivella a função de articulador político do bispo Edir Macedo.
Para a equipe de Marina, a identificação com os evangélicos será um de seus maiores trunfos na eleição. Ela tem aproveitado as viagens da pré-campanha para encontrar pastores, orar com grupos de fiéis e dar entrevistas a emissoras de rádio e sites religiosos.
"Não temos cacife para disputar a cúpula das maiores igrejas, mas a Marina tem comunicação direta com a base cristã. Por mais que o pastor mande votar na Dilma, os fiéis vão saber quem tem fé", alfineta o coordenador da campanha do PV, Alfredo Sirkis.
Em março, a senadora ouviu promessa de apoio de Silas Menezes, número dois da hierarquia da Igreja Presbiteriana, com 1 milhão de seguidores. O reverendo declarou que ela merecia o voto dos cristãos por ser uma "doméstica da fé".

O outro lado: mutirões da justiça liberam presos


Mutirões libertam mais de 21 mil pessoas presas indevidamente
de O Globo

Nos últimos 20 meses, 21.280 pessoas presas indevidamente foram libertadas: muitas já tinham cumprido a pena ou nem tinham sido julgadas e estavam presas por tempo superior ao prazo legal. A libertação foi feita pelos mutirões carcerários do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Desde agosto de 2008, foram examinados 118.221 casos para verificar eventuais irregularidades. Contando com os alvarás de soltura, 35.393 benefícios foram concedidos no período.

Nas inspeções do CNJ, foi verificado que muitos presos não tinham seus direitos respeitados, como o de estudar, sair de dia para trabalhar e nos feriados e cumprir a pena em prisão domiciliar — vantagens obtidas pelos de bom comportamento e com certo percentual da pena já cumprido em regime fechado.

— Revelamos dados novos.

Fomos fazer um estudo “in loco” do sistema carcerário. Tivemos uma aula de Brasil, que nos constrangeu em termos de cumprimento da lei e nos fez trabalhar para a melhoria do sistema prisional — disse o juiz Erivaldo Ribeiro, que coordenou os mutirões, feitos em 20 estados.

País tem mais de 56 mil presos em delegacias Atualmente, equipes do CNJ estão em Goiás, Maranhão, Paraná e Santa Catarina. As metas do programa serão decididas pelo novo presidente do conselho, Cezar Peluso, empossado na última sexta-feira. Este ano, o CNJ assinou convênio com os ministérios da Justiça e da Defesa para garantir a transferência de criminosos de delegacias para presídios. Dos 473.626 presos no Brasil, 56.514 (12%) estão em delegacias, de forma irregular, enfrentando a falta de estrutura no que diz respeito aos seus direitos básicos.

Boa notícia!

Do Estado de São Paulo

Cai a taxa média de informalidade nas metrópoles, mas setor de empregadas domésticas é exceção

Pela primeira vez em 16 anos, metade dos trabalhadores tem carteira assinada pelo setor privado, nas metrópoles. Dados do IBGE mostram que a fatia de empregados contratados com registro atingiu 50,3% do total de ocupados em janeiro e 50,7% em fevereiro. O resultado de março será divulgado quinta-feira. Em números absolutos, há 11 milhões de pessoas com carteira assinada nas grandes cidades e a informalidade nas metrópoles, que é de 36,7% dos ocupados, está em um de seus níveis mais baixos: 18,1% trabalham sem carteira assinada e 18,6% por conta própria. Técnicos indicam, porém, setores com distorções. Apenas 1,5 milhão das 6,6 milhões de empregadas domésticas do País trabalham com registro em carteira.

Décimo terceiro salário, férias remuneradas, fundo de garantia e aposentadoria não são mais privilégios de uma minoria de brasileiros. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que, pela primeira vez em 16 anos, metade dos trabalhadores das metrópoles do País tem a carteira assinada pelas empresas do setor privado.

A fatia de contratados em regime de CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) atingiu 50,3% do total de ocupados em janeiro e 50,7% em fevereiro, conforme o IBGE. A informalidade nas metrópoles está em um de seus níveis mais baixos: 36,7% dos ocupados (18,1% trabalham sem carteira assinada e 18,6% por conta própria). Em fevereiro, os empresários respondiam por 4,5% do total, militares e funcionários públicos por 7,5%.

É a primeira vez que o setor privado emprega com registro metade dos trabalhadores das grandes cidades desde março de 1994, quando a abertura da economia, o câmbio valorizado, e a expansão dos serviços fechavam vagas nas indústrias. Em números absolutos, significa 11 milhões de pessoas com carteira assinada nas grandes cidades.

Brasil repaginado?

Da Folha de S. Paulo

O STF (Supremo Tribunal Federal) determinou que o Serviço Geográfico do Exército faça perícia topográfica para esclarecer uma polêmica que se arrasta desde 1922, envolve 2,2 milhões de hectares na divisa entre Mato Grosso e Pará e pode mudar o mapa do país.
A decisão foi do ministro Marco Aurélio Mello e atendeu a um pedido formulado pela Procuradoria de Mato Grosso. Para o Estado, uma confusão em relação aos pontos de referência, cometida pelo Clube de Engenharia do Rio de Janeiro, hoje IBGE, propiciou ao Pará ganhar toda a área -cuja extensão equivale à de Sergipe.


Estado do Mato Grosso alega confusão nos pontos de referência

A disputa causa problemas aos moradores dos ao menos sete municípios afetados. Há dúvidas sobre a validade de títulos de terra já concedidos pelos dois Estados e alguns moradores não sabem a quem cobrar por serviços ou pagar tributos.
Como medida preventiva, o STF resolveu em 2004 proibir programas de regularização fundiária no local em disputa.

Pará teria ganhado uma área cuja extensão equivale à de Sergipe.

Localizada sobre a linha divisória entre Altamira (PA) e Guarantã do Norte (MT), a comunidade do Vale do 15 reúne 250 famílias nesta condição.
Eleito vereador por Guarantã do Norte em 2008, Marcelo Castro afirma que, se dependesse apenas da comunidade, a questão já teria sido decidida "há muito tempo". "Tudo aqui vem de Mato Grosso", disse.
A indefinição sobre o domínio da terra, somada à ausência estatal, torna mais difícil combater o avanço do desmatamento ilegal sobre a floresta amazônica, que tem aumentado ali nos últimos anos.

Carochinha
O STF deu prazo de 120 dias para a conclusão da perícia. A decisão, do início deste mês, foi comemorada em Mato Grosso.

Resolve? Ajuda? Dê sua opinião!

GOVERNO PLANEJA SOLTAR 20% DOS PRESOS DO PAÍS
VIGILÂNCIA ELETRÔNICA PARA DESAFOGAR PRESÍDIOS
O Globo/Jailton de Carvalho e Fábio Fabrini

Projeto prevê que 80 mil detentos fiquem sob vigilância eletrônica

Para fazer frente à superlotação das prisões brasileiras, projeto do Ministério da Justiça propõe que os detentos menos perigosos saiam das cadeias e passem a ser monitorados eletronicamente. A medida pode mandar para as ruas 80 mil presos, cerca de 20% da população carcerária do país. Teriam direito ao benefício presos que ainda aguardam julgamento por crimes que não colocaram em risco a vida e a integridade física de ninguém: em vez de mantidos nas celas, eles usariam pulseiras ou tornozeleiras que permitem localizálos permanentemente. A proposta de vigilância eletrônica, debatida no congresso da ONU sobre prevenção ao crime, formou uma espécie de consenso no governo de que esta é praticamente a única saída diante das condições críticas das prisões brasileiras.

Dados oficiais mostram que o número de detentos aumenta 7,3% ao ano e que o déficit de vagas já chega a 180 mil.

Governo planeja soltar cerca de 80 mil presos menos perigosos, que deverão ser monitorados por tornozeleiras



BRASÍLIA. Depois de longos debates no 12º Congresso das Nações Unidas sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, em Salvador, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) decidiu elaborar um projeto de monitoramento eletrônico que pode resultar na soltura de cerca de 80 mil presos, quase um quinto da população carcerária brasileira.

O monitoramento poderá ser feito pela tornozeleira eletrônica, que permite saber a localização de quem a usa. O governo entende que o controle de criminosos de baixa periculosidade fora das cadeias é uma das poucas alternativas para desafogar os presídios no país. O número de detentos aumenta a uma taxa de 7,3% ao ano, e, para o Depen, não há investimento em ampliação da estrutura prisional que dê conta da demanda.

Benefício poderá ser estendido a condenados A cada ano, o déficit carcerário aumenta em quatro mil vagas, e a tendência é a deterioração do quadro, já crítico, mesmo com o crescente aporte de recursos federais. Pela proposta em estudo, o monitoramento eletrônico poderia beneficiar presos provisórios (sem condenação) que não tenham posto em risco a vida ou a integridade física das vítimas. O diretor do Depen, Airton Michels, entende que o benefício poderia ser estendido a condenados, que, sendo primários e de bom comportamento, teriam a progressão de regime antecipada em um ano.

— Fizemos um mapa mundial da questão prisional. Em toda a América, tem aumentado a população carcerária. A sociedade tem que buscar alternativas. O Brasil já tem uma legislação muito avançada em termos de penas alternativas. A outra opção agora é a coerção eletrônica, com o uso da pulseirinha ou da tornozeleira — disse Michels.

Vários projetos sobre monitoramento eletrônico de presos estão tramitando no Congresso, mas nenhum agrada integralmente ao governo. Michels acredita ser importante elaborar uma nova proposta a partir de experiências internacionais. Técnicos do Ministério da Justiça vão colher informações em Portugal, Colômbia e outros países onde o sistema já esteja em vigor.

Chamou na chincha!

Lula chama Dilma e se queixa de seu desempenho na TV
VALDO CRUZ
da Folha de São Paulo

O presidente Lula decidiu intervir e pedir ajustes na campanha de Dilma Rousseff. Chamada para uma conversa na sexta-feira, Lula reclamou que a pré-candidata do PT está sendo muito "técnica", precisa ser "direta e simples" nas entrevistas para a TV e falar frases mais sintéticas, evitando deixar raciocínios sem conclusão.
Dois dias antes, Dilma havia participado do "Brasil Urgente", na TV Bandeirantes. Lula não viu o programa, mas foi informado que Dilma estava muito nervosa e, em vários momentos, deu respostas longas, sem concluir seu raciocínio. Em sua avaliação, nada grave nessa fase, mas um tipo de erro que não pode se repetir durante a campanha, principalmente nos debates eleitorais.
A conversa entre Lula e Dilma ocorreu no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, na sexta pela manhã. O presidente segue confiante de que vai eleger Dilma sua sucessora, mas confidenciou a aliados que ela precisa melhorar seu desempenho nas entrevistas a TV e rádio.
Lula orientou sua ex-ministra a, nesse período da campanha, dedicar mais tempo a treinamentos para entrevistas como a concedida na semana passada ao jornalista José Luiz Datena, da TV Bandeirantes.
O presidente defende que, se for preciso, Dilma reduza suas agendas regionais e dê preferência aos treinamentos com sua equipe de campanha. Na avaliação de Lula, nesse momento, as entrevistas têm muito mais eficácia do que as viagens a Estados, principalmente naqueles em que ainda não há definições sobre os candidatos aliados a governador.
Apesar dos reparos feitos por Lula na fala de Dilma no programa da Band, o presidente foi informado de que pesquisa feita pela equipe de campanha com grupos de mulheres apontou que o desempenho da petista foi considerado mais positivo do que negativo.
Nessas pesquisas, a avaliação das mulheres foi que Dilma passou uma imagem de "humildade", "simpatia", "capaz de se emocionar", em contraste com sua fama de "autoritária" e "durona" citada diversas vezes pelo jornalista da Band.

Experiência
Acertar o tom de suas entrevistas e discursos é considerado, por seus assessores, essencial também para que Dilma demonstre algo que ela tem: segurança. E, com isso, demonstrar que tem experiência administrativa e está preparada para ocupar o lugar de Lula.
Aliados da ex-ministra dizem que, nessa fase de pré-campanha, é preciso fazer não só ajuste no tom, mas também no conteúdo. Na avaliação de governistas, nesse período quem está se saindo melhor é o pré-candidato tucano, José Serra.
Nas palavras de um aliado da ministra, que não quis ser identificado, "a experiência de Serra em campanhas está fazendo a diferença, ele está deixando a impressão de que é mais experiente, falando serenamente, fazendo uma campanha mais governista do que a Dilma".
Do outro lado, a petista tem se desgastado mais, entrando em mais polêmicas, batendo demais na tecla da comparação entre os governos FHC e Lula e deixando em segundo plano a apresentação de propostas que possam entusiasmar o eleitor.
Diante dessa avaliação, a equipe de campanha está preparando agendas e material para que Dilma desenvolva temas relacionados a mulheres, crianças e juventude, com propostas que seriam implementadas em um eventual governo seu.

domingo, 25 de abril de 2010

Atenção, evite falar com ETs

da BBC Brasil


Humanidade deve evitar contato com alienígenas, alerta físico britânico Stephen Hawking diz que vida inteligente fora da Terra pode estar interessada apenas em nossos recursos.
O renomado físico britânico Stephen Hawking sugeriu que os seres humanos devem evitar fazer contato com seres extraterrestres.




Em uma série de documentários a ser exibida em maio no Discovery Channel, Hawking diz que é "perfeitamente racional" acreditar que pode existir vida fora da Terra, mas adverte que os alienígenas podem simplesmente roubar os recursos do planeta e ir embora.


"Se os alienígenas nos visitassem, as consequências seriam semelhantes às (que aconteceram) quando (Cristóvão) Colombo desembarcou na América, algo que não acabou bem para os nativos", afirma.


"Nós só temos que olhar para nós mesmos para ver como vida inteligente pode evoluir para alguma coisa que não gostaríamos de encontrar."


No passado, foram enviadas sondas para o espaço levando artefatos com diagramas e desenhos mostrando a localização da Terra.


Hawking diz que a probabilidade matemática é de que existam seres vivos em outros lugares do universo mas "o verdadeiro desafio é imaginar como poderia ser a aparência dos alienígenas".

O programa especula sobre várias espécies de extraterrestres, inclusive herbívoros de duas patas e predadores semelhantes a lagartos.


Hawking admite, contudo, que a maior parte dos seres em outras partes do universo provavelmente não passará de micróbios.


Em uma série exibida recentemente na TV da BBC - Wonders of the Solar System (Maravilhas do Sistema Solar) - o físico britânico da Universidade de Manchester, Brian Cox, também sugeriu que pode haver vida em outra parte do nosso sistema solar.


Segundo Cox, pode haver organismos sob a camada de gelo que envolve Europa, uma das luas de Júpiter.

Ele afirmou que aumentam os indícios de que pode haver vida em Marte. "Nós só saberemos com certeza quando a próxima geração de naves espaciais, adaptadas para procurar vida, for lançada para as luas de Júpiter e as planícies áridas de Marte nas próximas décadas." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Gastar ou poupar?

RICARDO MIOTO - da Folha de são Paulo

Experimento mapeou os cérebros de voluntários em um teste no qual deveriam escolher entre consumir ou economizar seus recursos

Um estudo de mapeamento cerebral pode ajudar a entender a diferença entre o cérebro de uma pessoa esbanjadora, que gasta dinheiro como se cada dia fosse o último, e o de um pão-duro crônico, que apenas poupa, sem aproveitar o que juntou. Os mecanismos que interagem quando uma pessoa decide entre consumir ou armazenar o recurso, dizem os cientistas, são os mesmos que embasam a fé religiosa de alguém que se esforça em vida para ter o paraíso após a morte.
O que os neurocientistas da Universidade de Hamburgo, na Alemanha, fizeram foi observar a atividade cerebral de voluntários enquanto tomavam decisões financeiras. Elas envolviam escolher entre receber menos dinheiro imediatamente ou uma quantia maior dentro de alguns meses. Enquanto isso, eram estimulados a pensar em eventos do futuro, como longas viagens de férias ou cursos caros que desejariam fazer.
Os pesquisadores puderam, assim, mapear as áreas do cérebro que trabalham para decidir entre receber uma recompensa agora ou esperar por algo melhor amanhã. Duas são importantes. Grosso modo, uma é mais imediatista, e a outra faz o papel de chata, trazendo a lembrança de que não se pode pensar apenas no presente.

O custo-benefício de saber esperar ou gastar tudo agora.

O córtex cingulado anterior é quem responde à recompensa, uma área muito ligada à tomada de decisões. Se ela faz peso para que escolhas impulsivas sejam feitas, o hipocampo, outra parte do cérebro, entra na briga contra isso. Ele é o responsável por criar imagens do futuro na mente humana -é a parte do cérebro que faz com que as pessoas contratem planos de previdência, digamos.
O hipocampo envia, então, esses sinais relacionados à recompensa futura para o córtex cingulado anterior, influenciando a tomada de decisão.
"Imaginar com força o futuro acaba reduzindo a quantidade de escolhas impulsivas que fazemos", diz Jan Peters, um dos neurocientistas que assinam o trabalho na revista "Neuron".
Os pesquisadores ainda estão apenas descobrindo quais partes cerebrais atuam avaliando o custo-benefício de esperar o tempo passar e não sabem bem como diferenças individuais entre cérebros podem justificar perfis mais esbanjadores ou econômicos. Mas é possível que um hipocampo mais ativo, por exemplo, faça com que certas pessoas criem mais imagens ligadas ao futuro nas suas mentes, dizem os cientistas.

escolha entre pouopar ou gastar equivale a ter fé e apostar na salvação


Apesar de o estudo envolver escolhas relacionadas a dinheiro, acredita-se que os mesmos circuitos do cérebro estejam envolvidos em outras decisões. Um dos exemplos pode envolver a religião. Quando um fiel se flagela expiando seus pecados para escapar do inferno, está tomando uma decisão pensando em vantagens futuras.
A ideia de "renúncia agora, paraíso depois" faz parte das cinco maiores religiões do mundo, lembra o economista Eduardo Giannetti, autor de "O Valor do Amanhã". "Foi esse raciocínio que levou à condenação, no séc. 4º, do suicídio como "atalho" para o paraíso, prática corrente nos primeiros séculos do cristianismo", diz.
Humanos têm maior habilidade em trocar o presente pelo futuro do que os animais, que se assemelham mais a crianças pequenas. Elas vivem o momento, sem pensar em guardar papinha para depois. Animais, porém, também sabem adiar recompensas. Roedores, por exemplo, sabem enterrar comida e são poupadores natos.

Dilma corre atrás de mulheres


Campanha procura reverter desvantagem
Da Folha de São Paulo

Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Planalto, recheou suas agendas das últimas semanas com encontros de mulheres e falas sobre participação política feminina. Aos poucos, a campanha da petista vai se armando para tentar reverter a fatídica sorte do partido de ter menos votos entre as mulheres do que entre os homens.
O que se pressupõe até agora no bunker do PT é que eleitoras são mais "desconfiadas" ao votar, precisam conhecer o político, mas também tendem a definir o voto mais perto das eleições. "Ela é mais cuidadosa, tende a votar na pessoa mais conhecida", diz o presidente do PT, José Eduardo Dutra.
Uma das estratégias é mostrar a candidata ao lado de outras mulheres -simples, mães de família incógnitas, ou famosas e bem-sucedidas. Nos últimos dias, Dilma jantou com a apresentadora Ana Maria Braga, se encontrou com a ex-prefeita Marta Suplicy, pediu o empenho da primeira-dama Marisa Letícia e anunciou a ida ao aniversário da economista Maria da Conceição Tavares.
Na internet, o site Mulheres com Dilma divulga ideias da candidata em temas caros ao universo feminino.
A ofensiva virá com o horário político na TV, onde vinhetas e programetes serão destinados ao público feminino e feitos com base em pesquisas. Um grupo de apoiadoras famosas será arregimentado até lá.
Talvez o maior desafio da campanha seja amaciar o lado masculino da candidata -a mulher brava, que ralha com subordinados e usa linguajar técnico-, sem fazer desaparecer a competência de ministra, lado que Lula insiste em evidenciar na "mãe" do PAC.

Cliente de tele pode ter devolução bilionária

Da Folha de São Paulo

As operadoras de telefonia fixa correm o risco de ser obrigadas a devolver dinheiro aos clientes que entraram na Justiça contra a cobrança do PIS e da Cofins (tributos federais), uma prática que estaria ocorrendo há mais de uma década.
Cálculos iniciais indicam que as teles podem ter de devolver cerca de R$ 1 bilhão por ano (sem considerar a correção monetária e multas), caso os 41,2 milhões de assinantes ativos no país decidam recorrer à Justiça contra a cobrança.
Atualmente, existem centenas de ações tramitando nas mais diversas esferas do Judiciário. Uma delas, que corre no STJ (Superior Tribunal de Justiça), servirá de base para as demais ações e poderá abrir as portas para que órgãos de defesa do consumidor entrem com ações civis públicas para estender o direito de reembolso a todos os consumidores. Hoje, ele só vale para quem processou a companhia e ganhou a causa.
A ação que tramita no STJ deverá ser julgada no próximo mês, segundo a Folha apurou, colocando um fim à discussão entre operadoras e consumidores. Ela foi movida pelo advogado gaúcho Claudio Petrini Belmonte, 36, contra a Brasil Telecom (adquirida pela Oi), que discute o repasse das contribuições desde 2002.
"Sempre suspeitei dessa cobrança indevida porque as teles nunca discriminaram corretamente os serviços e impostos na conta telefônica", disse Belmonte à Folha. "Eu e minha equipe fizemos os cálculos com base nas alíquotas de ICMS, PIS e Cofins, e só assim o valor cobrado na fatura conferia."

Ponto para o cliente
A Corte Especial do STJ já julgou processo parecido, também contra a Brasil Telecom (Oi), em 2008. Na ocasião, os ministros decidiram, por unanimidade, condenar a operadora a pagar em dobro os valores cobrados mensalmente, corrigidos pela inflação e juros de 1% ao mês. A Oi continua recorrendo da decisão. A Embratel enfrenta a mesma situação.
Com a decisão do próximo mês, o STJ quer evitar que uma enxurrada de ações suba das instâncias inferiores. Por isso, deve acelerar a votação.
A Folha apurou que as chances de as operadoras conseguirem vitória são pequenas. Entre os 9 ministros que decidirão o destino do repasse do PIS e da Cofins nas contas telefônicas, 5 já se manifestaram contra e 1 a favor. Atualmente, o processo está parado devido a um pedido de vista do ministro Mauro Campbell Marques.(Reportagem completa na FSP)

sábado, 24 de abril de 2010

Audax: uma aventura de superação

Katia Maia

No domingo passado, participei de uma prova de auto superação, chamada Audax. A competição é realizada no mundo todo, em etapas. A primeira tem 200km. É preciso completá-la para que possamos participar das subsequentes.

Pois bem, há três anos me desafio nessa primeira fase. Sempre consegui finalizar. Esse ano, porém, problemas mecânicos me impediram de terminar a prova. E foi justamente agora em 2010 que me propus registrar todo o esforço que os ciclistas amadores e profissionais enfrentam, desafiando horas a fio de pedalada, sol forte, desgaste físico, mental e, claro, mecanicos.

Subida do Lago Sul, saindo da Barragem do Paranoá

Fiz a prova e quando estava perto dos 140km o pneu de minha bike furou uma... duas e três vezes. Resultado: tive que abandonar a prova. Mas, muitos continuaram e eu acompanhei a saga dos que superaram seus próprios limites.

A matéria foi ao ar no CBN Brasília deste sábado (24.04.2010).
para quem perdeu, disponibilizo o áudio aqui no meu blog.
confira e embarque nessa viagem que é o Audax.




*Audax - prova francesa de superação, onde os clcistas - profissionais e amadores - têm que superar longas distâncias. A primeira etapa tem 200km. A segunda 300km, depois 400km, 600km e 1,2 mil km. Essas duas úlitmas são realizadas apenas na França, berço da prova. As demais acontecem no mundo todo. Aqui no Brasil, vários estados realizam o Audax, inclusive o Distrito Federal.

Tudo pode dar certo, novo filme de Woody

(da Revista Veja)
Em Tudo Pode Dar Certo (Whatever Works, Estados Unidos/França, 2009), o novo filme de Woody Allen, ele decide dividir também com a plateia. A piada, lógico, é que Boris apenas se julga melhor do que o restante da humanidade, mas é também ele perfeitamente obtuso. A ocasião de prová-lo se apresenta, como sempre, na forma de uma mulher bem mais nova: Melody (Evan Rachel Wood), uma garota interiorana que Boris encontra chorando na escadaria de seu prédio, leva para casa, ofende de todas as maneiras possíveis, sem que ela perceba ou leve a mal – e por cujo otimismo e doçura ele então se apaixona.


O corrosivo Boris, com a tolinha Melody: retrocesso sem reformulação


Allen fez o filme a partir de um roteiro que tinha na gaveta havia décadas. Nota-se. No desfecho, ele tenta recuperar a agudeza de criações recentes, como Vicky Cristina Barcelona, levando os personagens a concluir que cada um sabe melhor do que o faz feliz. Mas, até chegar lá, a história perambula e range sob o peso de estereótipos superados – por exemplo, de que artistas são uma gente muito louca e liberada, e de que intelectuais judeus nova-iorquinos, por contraste, são poços de pessimismo. Não há nada de errado em um cineasta voltar sempre aos mesmos temas. Pelo contrário: essas revisitas, com suas mudanças sutis de enfoque, solidificam uma obra. Mas aqui não há reformulação. Só retrocesso, evidenciado pela escolha de Larry David, da série Curb Your Enthusiasm, para o papel de Boris. Quando encarna ele mesmo seus protagonistas, Allen faz deles homens que agridem os outros de viés, com choramingos e neuroses. David (aliás, um excelente comediante) o faz com um recurso bem mais direto: o da agressão pura e simples. Remove assim de Boris toda a aura de neurastênico adorável, aquela que Allen cultiva, e expõe a mesquinhez no cerne do personagem. Deixa uma impressão forte – e que final feliz nenhum é capaz de apagar.

A história de Haila


Haila Baldin Fernandes Inácio, 6, portadora da síndrome de Williams que vive em Valinhos



Pobre da gata Cristal. Quando Haila, 6 anos, corre atrás dela, abraça a felina com tanta força que chega a deixá-la sem fôlego. Lembra a Felícia, personagem de desenho animado que queria "apertar e amar para toda a vida" os animais que apareciam na sua frente.
Não é só com a gata que Haila simpatiza, porém. Quando a mãe, Ana Carolina Baldin, a leva ao shopping ou ao supermercado, não há uma pessoa que não receba um "oi, tudo bem?" da menina. Ela gosta especialmente de idosos. Nada de racismo: ela fica entusiasmada quando vê negros -talvez por achá-los diferentes de si mesma e da família. "Ela ama senhores negros de cabelo branco, quer puxar, abraçar, sentar no colo", diz a mãe.
É típico da síndrome de Williams não sentir receio de estranhos. Por mais querida que possa ser uma criança que não tem grandes restrições à socialização -é cativante quando a menina segura as visitas querendo evitar que elas deixem a casa-, isso faz com que a mãe acabe tendo um trabalho danado para cuidar dela.
Não é difícil de entender. Mesmo que um rottweiler esteja latindo bravo, a garota quer ir abraçar e beijar o bicho. Diferentemente de crianças que se escondem atrás dos pais quando cercadas de estranhos, não é preciso muito para que Haila desapareça no meio da multidão quando a mãe se distrai. "É difícil, por exemplo, num lugar como uma loja de departamentos, cheio de CDs, DVDs, brinquedos, chocolates, um monte de coisas que chamam a atenção da Haila. Qualquer desatenção é perigosa", afirma ela.

Doença genética impede portador de se tornar racista


Quem disse que doença é dempre para o mal? Uma sindrome, chamada Sindrome de Williams, deixa as pessoas sociáveis e alegres. Que maravilha viver se todos 'pegassem' essa doença. Talvez o mundo fosse um pouco melhor, com menos racismo, com certeza, conforme estudo feito pela neurocientista portuguesa Andreia Santos, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha.
confira na matéria abaixo da Folha de São Paulo, feita por RICARDO MIOTO - ENVIADO ESPECIAL A VALINHOS (SP)

Crianças com síndrome de Williams ficam hipersociáveis e não conseguem formar estereótipos negativos, diz estudo

Teste comparou grupo que apresentava transtorno a outro saudável; segundo cientista, origem do racismo não tem raízes no DNA

Elas simplesmente não conseguem ser racistas. São as crianças com síndrome de Williams, um transtorno genético que as deixa altamente sociáveis e alegres. "Eles acham que todas as pessoas do mundo são suas amigas", diz a neurocientista portuguesa Andreia Santos, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha.
Esse comportamento a fez levantar a hipótese que ela demonstra agora em um novo estudo. A ausência de medo de estranhos, pensou, poderia fazer com que essas crianças fossem incapazes de tratar certos grupos raciais com características negativas estereotipadas. Depois, pôs a ideia sob teste.
Para tal, ela e seus colegas selecionaram 20 portadores da síndrome de Williams entre 5 e 16 anos e outros 20 saudáveis. Todas as crianças eram brancas e foram estimuladas a associar ideias positivas (como inteligente ou bonito) e negativas (feio ou estúpido) a imagens de pessoas de pele clara ou escura.
As crianças "normais" seguidamente associavam os bons adjetivos a pessoas brancas como elas. Para as crianças com Williams, por outro lado, a cor da pele simplesmente não fazia diferença. Elas distribuíam os adjetivos aleatoriamente, ainda que fossem todas brancas.
Segundo Santos, que publicou estudo sobre a descoberta na revista "Current Biology", provavelmente as conclusões valem também para os adultos portadores da síndrome. O que parece estar acontecendo, dizem os pesquisadores, é que quem tem o problema não possui o chamado medo social, comum entre seres humanos.
O medo social é o que ajuda a distinguir entre membros do próprio grupo e membros de um grupo estranho. Suspeita-se que essa divisão entre "nós" e "os outros" seja uma das bases psicológicas profundas dos comportamentos racistas.
Isso não significa, diz Santos, que o racismo tenha necessariamente origens genéticas e que a síndrome as apague.
"Alterações genéticas podem fazer alguém nascer sem as mãos e por isso ser incapaz de tocar piano. Mas não podemos inferir que exista uma base genética para tocar piano nesse caso", diz Alysson Muotri, biólogo brasileiro que trabalha com síndrome de Williams na Universidade da Califórnia em San Diego. "O trabalho precisa ser replicado em grupos maiores e com outras faixas etárias."

Punhado de genes
A síndrome de Williams chama a atenção por dois motivos.
O primeiro se refere ao carisma das crianças portadoras, como a menina Haila Inácio, 6, de Valinhos, no interior de São Paulo.
O outro é científico: surpreende como alterações em uns poucos genes conseguem mudar radicalmente a maneira como as pessoas se socializam. Isso porque a síndrome nada mais é do que a consequência da ausência de menos de 30 genes no cromossomo 7.
O impacto dessa ausência não se resume à amabilidade. Essas crianças costumam ter dificuldade para fazer cálculos e se orientam mal no espaço. São vulneráveis a problemas cardíacos e têm dificuldade para controlar a bexiga. Ainda assim, muitas vezes os pais demoram para obter o diagnóstico correto da síndrome.
"As mães percebem que elas têm algo diferente, mas pode demorar até que isso chame a atenção do médico. Elas têm uma face bem típica, mas às vezes passa sem diagnóstico. É uma síndrome rara", diz a médica Chong Kim, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas. Acredita-se de, em cada 20 mil crianças nascidas, pelo menos uma têm Williams. Em comparação, a síndrome de Down ocorre em um a cada cerca de mil nascimentos.

Outra silva...

LÁ: "ECONOMIST" APRESENTA SENADORA COMO "OUTRA SILVA"
Da Folhade São Paulo

Com referência ao presidente Lula no título ("Uma outra Silva"), a revista inglesa "The Economist" publicou, na edição desta semana, um perfil de Marina Silva. Em tom elogioso, o texto diz que a senadora "parece ter princípios demais" para entrar na "briga de cachorro grande" de "democracia gigante" como a brasileira. Hoje ela inicia visita a Washington.

Governo decide não rebater críticas de Ciro


da Folha de São Paulo
Deputado foi "injusto" ao dizer que Lula "navega na maionese", afirma Cândido Vaccarezza, líder do governo na Câmara

Ataques surpreenderam até o PSB; Roberto Amaral, vice-presidente do partido, que esteve ontem com Lula, diz que vai falar com Ciro

VALDO CRUZ
MARIA CLARA CABRAL
Após as críticas e alfinetadas do deputado Ciro Gomes (PSB-CE), classificadas por governistas de "injustas", o presidente Lula vai esperar a "poeira baixar" para, então, buscar atrair seu ex-ministro da Integração Nacional para a campanha de Dilma Rousseff.
Auxiliares de Lula consideraram que as críticas do deputado, que pleiteava ser candidato pelo PSB, estão no "preço" e já eram esperadas diante do processo de isolamento a que ele foi submetido. Ontem, a ordem no governo era não rebater Ciro no mesmo tom.
Agora, o presidente vai aguardar que o PSB anuncie oficialmente, na próxima terça-feira, a esperada decisão de apoiar a candidatura de Dilma e avaliar o melhor momento para convidar Ciro para uma conversa. Antes disso, está descartado qualquer encontro.
Na avaliação de governistas, o roteiro ideal seria Lula ter falado antes com o deputado, na busca de evitar que ele fizesse suas tradicionais críticas em tom agressivo contra o governo e a candidatura de Dilma. Só que ele evitou atender ligações de assessores de Lula que desejavam agendar o encontro. Para o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), Ciro foi "muito injusto com o PT e com Lula" ao dizer que o presidente "navega na maionese".(reportagem completa na FSP)

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Um mau negócio.

Estatais apontam que Belo Monte é inviável
O Globo


A Eletrosul, empresa estatal do grupo eletronorte, negou que tenha feito uma critica à usina de Belo Monte. Uma nota técnica interna feita em conjunto com furnas teria desaconselhado o projeto da hidrelétrica.
Segundo o presidente da Eletrosul, Eurides Mescolotto, a nota técnica existiu e foi redigida dois dias antes do leilão de Belo monte. Mas, de acordo com ele, o texto faz criticas ao projeto da Andrade Gutierrez que estimava um custo de R$ 28,5 bilhões para a obra - bem acima do previsto pelo governo, de R$ 19 bilhões. Mescolotto explicou que a estatal também foi contra a taxa interna de retorno, a TIR, de 3%. O presidente da eletrosul explicou que a nota foi feita para a empresa líder do consórcio e que fez parte de um processo normal de negociação.
"Foi uma nota interna endereçada ao lider do nosso consórcio e a análise que fizemos não foi sobre a Usina de Belo Monte como um todo. Nós fizemos uma análise da proposta que a AG tinha nos apresentados e fizemos criticas para uma negociação", disse.
o consórcio que reune a Andrade gutierrez, a Vale , a Neoenergia e a Companhia Brasileira de Aluminio, divisao do grupo Votorantim, perdeu o leilão de Belo Monte.

A Nota técnica elaborada por Furnas e Eletrosul, do grupo Eletrobras, foi tema de matéria do Jornal O globo de Hoje, informando que a nota mostra que seria inviável fazer Belo Monte para depois cobrar uma tarifa de R$ 83 o megawatt hora, que era o preço máximo do edital. O consórcio do qual as duas participavam (com a construtora Andrade Gutierrez) foi ao leilão oferecendo R$ 82,90, praticamente no limite do edital, e perdeu.Pelas contas dessas estatais, o custo da obra ficará em R$ 28,5 bi, bem acima da previsão oficial de R$ 19 bi. A Eletrobras não comenta.(A reportagem completa está em O Globo)

quinta-feira, 22 de abril de 2010

De mau humor!


Parece que, de repente fiquei invisível. Lembrei-me de um blog com um nome altamente sugestivo de minha amiga Andréa Veira que diz 'de péssimo humor'
Há quinze dias, peço ao condomínio do meu apart que troque a lampada da minha sala. todo santo dia, antes de sair para o trabalho, digo (gentilmente, ainda):
- Por favor, será que alguém poderia trocar a lâmpada da minha sala?
Todo santo dia, quando volto para casa depois de 13h de trabalho initerrupto, abro a porta e... Pimba! A luz está apagada, queimada.
É ou não é para gritar?
Outro: há quinze dias, ligo para a imobiliária (Chamada Requinte - a qual eu gentilmente apelidei de 'requinte de crueldade')para pedir um nada consta do condomínio de um dos meus imóveis que ela administra. Preciso do documento para regularizar a situação do loft que possuo. Pois bem, tenho uma certidão de ônus que vence no sábado e que é requisito da papelada.
Quando comecei a pedir à Requinte de crueldade o nada consta do condominio, soube que o inquilino está com o condominio atrasado dois meses. A imobiliária não só não conseguiu fazer com que o inquilino acertasse o atraso como não foi capaz de me dar a certidão que eu precisava como vou perder o prazo!
Nem lampada, nem certidão, nem telefonema, nem atenção...
Estou absolutamente de mau humor com o mundo!
Por isso, fogiveme vida, amigos, filhos, colegas!
///~..~\\\

Quanto se paga de imposto no Brasil?

"Se o contribuinte soubesse o quanto paga de tributo sobre cada mercadoria, tenho certeza de que lutaria pela redução da carga atual", diz Paulo Skaf


Uma pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo mostra que a maioria da população tem conhecimento de que paga impostos sobre produtos de consumo doméstico, como alimentos, sabão em pó e conta de luz. No entanto, a maior parte dos entrevistados não sabe quanto paga sobre cada mercadoria ou serviço.

Outra questão levantada pelo estudo, que ouviu mil pessoas no Brasil, foi sobre corte de impostos. Dos entrevistados, 81% consideram que é melhor para o País que o Governo Federal corte os tributos dos produtos da cesta básica para que a população mais carente possa consumir mais. Já outros 14% consideram que é melhor para o Brasil que o Governo Federal cobre impostos dos produtos da cesta básica e transfira estes recursos para as famílias mais carentes.

"A carga tributária no Brasil é muito alta e prejudicial ao desenvolvimento do País", afirma Paulo Skaf, presidente da Fiesp. "A transparência no cálculo dos impostos é fundamental para mudar essa situação. Se o contribuinte soubesse o quanto paga de tributo sobre cada mercadoria, tenho certeza de que lutaria pela redução da carga atual", complementa.


Acesse a pesquisa completa no link abaixo:

http://www.fiesp.com.br/economia/pdf/pulso_impostos_abr10.pdf

Arrecadação federal bate recordes desde outubro


Azelma Rodrigues - Valor Econômico

Desde outubro de 2009, o recolhimento de impostos federais vem batendo recorde, mês após mês, informou a Receita Federal. O intervalo entre outubro e março deste ano foi o melhor semestre já registrado, quando o Fisco recolheu o valor de R$ 407,2 bilhões (corrigido pelo IPCA), além de registrar outra marca com o primeiro trimestre do ano, em R$ 187,2 bilhões.
De acordo com o coordenador-geral de Estudos, Previsão e Análise da Receita, Victor Lampert, a expectativa é de certo arrefecimento nos índices de crescimento do recolhimento fiscal, que até agora ficaram acima dos 10% reais mensais. De qualquer maneira, "ainda está mantida" a projeção feita no início do ano, de alta real em torno de 12% para o aumento da arrecadação federal neste ano, informou ele.
Em valores correntes, houve aumento de R$ 26,2 bilhões na receita fiscal sobre o primeiro trimestre de 2009, com variação positiva de 15,02%. Com correção pelo IPCA, a alta foi de 11,01%. Somente em receita administrada (exceto contribuição previdenciária e outras receitas), a alta foi de R$ 18,569 bilhões, com destaque para tributos incidentes sobre o faturamento das empresas (Cofins e PIS/Pasep), que apurou R$ 7,1 bilhões a mais, ante o mesmo período o ano anterior.
Lambert atribuiu o bom desempenho à retomada da atividade econômica, após o encolhimento do ano passado por causa da crise mundial. Entre os números em destaque, ele citou o recolhimento extra de R$ 2,1 bilhões nos parcelamentos de impostos atrasados, somente entre janeiro e março deste ano.

FMI alerta para risco de superaquecimento da economia no Brasil

O Estado de S. Paulo

A economia brasileira crescerá 5,5% neste ano e 4,1% no próximo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), com inflação média de 6,2% e 5,9%. A demanda é mais forte que em outros países da América Latina e o limite de capacidade está mais próximo, disse a chefe de pesquisa da Divisão de Estudos da Economia Mundial, Petya Koeva Brooks.
Por isso, acrescentou, espera-se a retirada de estímulos monetários e fiscais. Isso explica o menor crescimento projetado para 2011. Mesmo assim, os novos números são maiores que os estimados em janeiro, quando as previsões eram de 4,7% e 3,7%.
A expansão da economia será acompanhada de piora nas contas externas. O déficit em conta corrente ficou em 1,7% e 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dois anos. Chegará a 2,91% neste e no próximo, de acordo com estimativas publicadas no Panorama Econômico Mundial (World Economic Outlook), apresentado ontem pelo economista-chefe, Olivier Blanchard, e líderes de sua equipe.
A conta corrente do balanço de pagamentos é a soma da balança comercial de mercadorias, da balança de serviços (onde entram viagens, fretes, seguros, lucros e juros) e das transferências unilaterais (como remessas de trabalhadores). No Brasil, a primeira e a terceira são superavitárias, mas o balanço de serviços é fortemente negativo. Quando há buraco na conta corrente, o resultado é coberto por investimento estrangeiro, financiamentos ou perda de reservas.


O crescimento brasileiro deve ser puxado neste ano pelo consumo privado e pelo investimento, segundo o Panorama. Na seção sobre América Latina, só o Brasil é citado, quando há referências ao risco de forte aquecimento econômico e preocupações com a dívida pública. Com a recuperação ganhando impulso, a política monetária deve tornar-se menos folgada na América Latina. Também nesse caso o Brasil se diferencia. No grupo daqueles com regime de metas de inflação, o País poderá ser o primeiro a iniciar um aperto.
Reservas. Os autores do relatório admitem, no entanto, um argumento a favor da manutenção de juros baixos, apesar das demais considerações econômicas: taxas mais altas podem atrair capitais especulativos. Algumas economias latino-americanas já receberam volumes consideráveis em papéis internos e títulos oficiais. A reação de alguns países foi acumular reservas, deixar a moeda nacional valorizar-se e eventualmente introduzir controles de capitais.
A única forma de controle ensaiada pelo governo brasileiro foi um imposto, quando a cotação do dólar ameaçou ficar abaixo de R$ 1,70, mas o relatório não entra nos detalhes de cada país. A melhor resposta dependerá da situação de cada um ? e o aperto das contas públicas, lembram os autores do Panorama, pode ajudar.
A América Latina e o Caribe enfrentaram bem a crise e estão numa firme recuperação, segundo o relatório. "Mais equilibrado que em muitas outras áreas, o crescimento na região é sustentado tanto pela demanda externa quanto pela interna." Os governos adotaram políticas antirrecessão, vários países foram favorecidos pelos preços das matérias-primas e os bons fundamentos econômicos estão ajudando as economias a atrair capitais. A referência a "bons fundamentos" ? contas públicas em ordem, inflação baixa e contas externas administráveis ? seria inimaginável, há alguns anos, na seção sobre a América Latina.
As exceções são a Venezuela, com inflação alta e crescimento baixo, e a Argentina, com as estatísticas postas em dúvida.

Ainda sobre os 50 anos de Brasília

Recomendo a leitura do artigo de hoje, na FSP de ELIANE CANTANHÊDE

Esperança, a última que morre

BRASÍLIA - De Juscelino Kubitschek, na inauguração de Brasília, em 21 de abril de 1960: "Pesou, sobretudo, em meu ânimo, a certeza de que era chegado o momento de estabelecer o equilíbrio do país, promover o seu progresso harmônico, prevenir o perigo de uma excessiva desigualdade no desenvolvimento das diversas regiões brasileiras, forçando o ritmo de nossa interiorização".
O Brasil era um país "oco", envolvido por um enorme litoral, onde pipocavam cidades, progresso e crescentes dramas urbanos. Brasília não resolveu, mas foi um bom passo para a previsão de JK de melhor equilíbrio e interiorização.
Como estariam, por exemplo, Goiás e os dois Mato Grosso sem a ousadia de JK e sem a prioridade ao agronegócio a partir dos anos 1970?
E a integração entre as regiões? E entre os brasileiros?
Passaram-se 50 anos e ainda há quem lamente a mudança da capital, como se Brasília fosse um peso e o escândalo Arruda fosse único e exclusivo, não uma doença que assola o país. Sem Brasília, o Rio seria uma capital de paz, de ética, de justiça? O país estaria uma beleza?
Depois desse meio século, o Rio tem o dobro de funcionários federais civis de Brasília (114.739 contra 61.698, conforme a Folha de ontem). Imagine como seria a "Cidade Maravilhosa" sem a "Capital da Esperança", acumulando os problemas intrínsecos à política e à administração federais com uma geografia picotada por morros e com a patologia urbana das favelas, do tráfico de drogas, de policiais e bicheiros que se matam à luz do dia.
Brasília é uma cidade linda, solar, cheia de jardins... e cercada de pobreza. Como são a zona sul do Rio e os centros ricos de São Paulo, de Fortaleza, de Porto Alegre. Não adianta demonizar a capital de JK, que simboliza vanguarda, progresso e esperança (a última que morre...) em desenvolvimento com democracia. Os problemas de Brasília não são de Brasília; são do Brasil.

elianec@uol.com.br

É o mínino que deve ser feito...

O bispo de Penedo, dom Valério Breda, divulgou e distribuiu uma carta aberta aos fiéis sobre as acusações de pedofilia dirigidas a padres de Arapiraca (AL). É o mínimo que deve ser feito numa situação como a que viveu a cidade alagoana que assistiu estarrecida ao constrangimento de ter, e ver por meio de imagens amplamnete reproduzidas, padres abusando sexualmente de coroinhas.
No episódio mais - como diriam os ingleses - 'disgusting' milhares de cópias de um vídeo foram distribuídas em paróquias da cidade e região no dia 11 de abril, do monsenhor Luiz Marques Barbosa fazendo sexo oral com um jovem. Na CPI da Pedofilia, o monsenhor negou peremptóriamete o 'ato' e pronuncioua frase apenas: não sou pedófilo! Segundos depois, a CPI exbiu para todo o plenário o referido vídeo. Contrangimento geral.
Tudo bem que o bispo peça 'perdão' pela igreja. Está no papel dele e é uma obrigação fazer isso. Mas, não dá para ignorar o fato de dezenas de episódios envolvendo padres em casos de pedofilia. A igreja que instiga o povo a não usar camisinha porque é pecado e fere os princípios da Bíblia, devia ser tão ou mais veemente na hora de condenar seus clérigos que abusam de jovens nas 'coxias' das igrejas. Isso, sim é pecado e do tipo mais reprovável - se é que se pode graduar. Pecado é pecado e pronto!
Abaixo, a carta do monsenhor, a quem interessar possa.

"Caríssimos Irmãos e Irmãs Diocesanos!

Que a Páscoa do Senhor dê a todos os dons da alegria e da paz. Com certeza, como proclamou o querido Papa Bento XVI no dia solene da Ressurreição, "salvos na esperança, prosseguimos a nossa peregrinação, levando no coração o cântico antigo e sempre novo: "Cantemos ao Senhor: é verdadeiramente glorioso!".

Neste horizonte de esperança e de vida nova que renasce, venho oferecer à leitura e à meditação de todos os Diocesanos a importante Carta Pastoral do Sumo Pontífice à Igreja Católica na Irlanda, publicada no dia 19 de março p.p.

A intenção do Papa, contudo, é de se dirigir a toda a Igreja, numa hora de profunda aflição, provocada pelas gravíssimas acusações envolvendo membros do clero em escândalos inauditos, no intuito de oferecer uma análise profunda do fenômeno e traçar as diretrizes norteadoras do caminho que a Igreja deverá seguir.

O Santo Padre vem em nosso socorro também, pois é sabido por todos o quanto a nossa Diocese foi humilhada pelos fatos noticiados recentemente pela televisão. Aliás, quanto a isso queremos reafirmar o nosso veemente posicionamento no sentido de apoiar as investigações civis, ao mesmo tempo em que, imediatamente, tomamos as mais extremadas medidas canônicas possíveis, aplicáveis aos casos denunciados.

Queremos aprender do venerado Santo Padre a não ter medo da verdade, mesmo que dolorosa. Sentimos, sim, "vergonha e desonra" pela violação da dignidade da pessoa humana e lamentamos o golpe desferido contra a Igreja, semeando descrédito e suspeitas.

Em nome da Igreja diocesana, também ela ferida, quero pedir perdão a todos quantos, feridos e escandalizados, se sentiram agredidos em sua integridade e traídos em seus sentimentos religiosos e de confiança na Igreja. A todos gostaria lembrar a palavra do Papa: "Peço-vos que não percais a esperança. É na comunhão da Igreja que encontramos a pessoa de Jesus Cristo, ele mesmo vítima de injustiça e de pecado. Como vós, ele ainda tem as feridas do seu injusto padecer. Ele compreende a profundeza dos vossos padecimentos e o persistir do seu efeito nas vossas vidas e nos relacionamentos com os outros, incluídas as vossas relações com a Igreja. Sei que alguns de vós têm dificuldade até de entrar numa igreja depois do que aconteceu. Contudo, as mesmas feridas de Cristo, transformadas pelos seus sofrimentos redentores, são os instrumentos graças aos quais o poder do mal é despedaçado e nós renascemos para a vida e para a esperança".

Se, consternados, assistimos a uma verdadeira subversão moral e espiritual, que toca a interioridade mais profunda do homem, devemos decididamente nos soerguer a partir da restauração da moralidade e da vida espiritual. Na verdade o homem é dominado pelo pecado, mas a graça redentora de Jesus Cristo redime e salva. É preciso alcançar este patamar espiritual. "Caritas Christi urget nós" - o amor de Cristo nos impele - (2 Cor 5,16). Seguindo as sábias indicações do nosso amado Santo Padre, Bento XVI, precisamos de um verdadeiro mutirão evangelizador e vivificador: pais e mestres, padres e educadores, catequistas e animadores de comunidades, missionários, todos devemos entrar nesta ação vigorosa. Não bastam eventuais recursos de sabedoria humana: o amor de Cristo nos impele para a medida alta da vida cristã, a santidade. Só os santos renovam a Igreja.

Todos precisamos do Papa: deste Papa, que mais uma vez - para retomar o título da sua última Encíclica - diz a verdade na caridade e pratica a caridade na verdade.

Penedo, 11 de abril, Domingo da Divina Misericórdia.

Dom Valério Breda, bispo diocesano."