sexta-feira, 31 de julho de 2015

No meio do caminho tinha um artista - Parte 2

Tietando o artista
por katia maia

Começar uma sexta-feira de trabalho com uma conversa com um artista plástico do porte de Carlos Bracher é realmente um presente. Eu já conhecia a obra do artista e recentemente tive maior contato com sua arte ao visitar a exposição Bracher – Pintura e Permanência, no CCBB de Brasília.

No dia, quando fui à exposição, o artista estava lá fazendo uma intervenção e eu, já fã de seu traço, acompanhei o processo de criação do artista, que pintou uma belíssima tela a partir dos elementos que tinha ali no momento, como
o público presente, os monumentos (Ponte JK ao fundo)  e o CCBB. Fiquei maravilhada com o passo a passo de surgimento de uma tela daquele porte.
Atenção às palavras do artista

Pois bem, corta, edita, chegamos ao dia 31 de julho de 2015 e, para minha surpresa, o artista estava lá  no meu  trabalho. Tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente, conversar, compreender um pouco mais do artista. Uma pessoa que se mostrou apaixonada por JK e sua obra e que demonstrou isso ao citar várias vezes o criador de Brasília: alguém cheio de sonhos, que adorava ler, que se cercava dos melhores e que se mostrou grandioso com sua obra: Brasília.
Selfie!

Bracher me encantou e me senti privilegiada em poder conversar e conhecer um pouco mais desse artista mineiro que, em 2014, teve a sua exposição considerada a melhor pela Associação de Críticos de Arte. No ano, realizaram-se no Brasil mais de nove mil exposições. É ou não um privilégio começar uma sexta-feira assim?  


segunda-feira, 27 de julho de 2015

TIM COM FRONTEIRAS!

Você, COM fronteiras
por katia maia

A gente sabe que lidar com operadoras de telefone móvel no Brasil é um verdadeiro parto! Ninguém tem a ilusão de que tudo o que é dito nas propagandas é compromisso e é cumprido. 

Tem sempre uma pegadinha que mostra a você que nada é exatamente do jeito que deveria ser. Eu mesma já rodei por quase todas elas e falo com propriedade que, para mim, é tudo a mesma coisa. 

Só muda a marca porque o discurso, as facilidades na hora de entrar, as dificuldades enquanto permanecemos na operadora e finalmente  a satisfação momentânea quando cancelamos a nossa conta e passamos para uma outra não dura nada, porque começará o perrengue todo novamente.

Pois bem, dito isso, e deixando claro que não sou alguém  que tem implicância com essa ou aquela operadora, mas com TODAS ELAS porque para mim, nenhuma presta e só tenho conta de celular porque esse é um mal necessário, quero dizer que – quando eu imaginava que nada mais me surpreenderia – eis que vem a TIM  e me mostra que a capacidade das operadoras vai além de nossa imaginação SEM FRONTEIRAS.

Você, com fronteiras.
Eis que, ao trocar um aparelho de telefone melhor, ao fazer um upgrade no dito cujo, percebi que precisava de um chip diferente, o NANO. 

Até aí, tudo bem. Acontece que a troca de aparelho aconteceu numa sexta-feira, às vésperas de uma viagem de Brasília para o Rio de Janeiro. O aparelho foi comprado de um particular e precisávamos apenas do chip. Como estávamos em cima da hora, deixamos para comprar o chip no aeroporto. Primeira surpresa: não existem lojas de celular nos aeroportos.

“Ok. Até aí, também tudo bem. Compraremos o chip no Rio”, pensei. Afinal, o mundo é online, conectado, sistemas interligados, SEM FRONTEIRAS! Alegre, feliz e satisfeita, certa de que não haveria problema algum em realizar a operação na cidade maravilhosa, mesmo sabendo que a conta era de Brasília, não me preocupei.

No Rio, começamos a saga por um chip nano para colocar o mais novo brinquedo para funcionar. Na primeira loja, em Ipanema, fomos informados que a compra do chip só seria possível em uma loja da própria operadora e não numa revendedora. Ok. Tudo bem, justo. Deixemos para ver isso amanhã, pois já era sábado e estava tarde. Descobrimos que havia uma loja da própria TIM, SEM FRONTEIRAS no shopping Leblon.

Você, com fronteiras.
Como eu havia ido para a cidade maravilhosa para correr a Meia Maratona do Rio e não para correr atrás de chips nano da TIM. Ficou acertado que compraríamos o chip no domingo. Depois de correr os 21k, tarefa cumprida, banho tomado e barriga cheia. Vamos comprar o tal chip. Pegamos um ônibus, nos mandamos para o Leblon e finalmente: uma Loja da própria TIM, SEM FRONTEIRAS!

Na loja, feliz da vida, explicamos ao vendedor que éramos de Brasília e precisávamos comprar um chip nano na conta 61. Foi aí que vi o bordão da TIM mudar radicalmente e mostrar que dessa vez a mentira era maior ainda. Uma operadora SEM FRONTEIRAS não poderia me vender um chip além das fronteiras e dos limites do seu estado! “Eu sei,acho isso um absurdo, concordo com vocês”, me disse o vendedor. “Mas, não vendemos chips de outro estado”, tentou explicar.

“Mas, peraí. O mundo não é interligado, os sistemas não falam entre si. Quando eu saio de um canto e vou para outro, minha conta num é monitorada, a TIM não é moderna, o mundo não é SEM FRONTEIRAS?”, disparei.


Você, com fronteiras
“É, mas infelizmente, essas fronteiras, esses limites, a TIM TEM”, disse o vendedor, encerrando o assunto, não a minha indignaçãoDeixamos a loja, absolutamente frustrados com a falta de tecnologia para resolver um problema simples. 

Agora, reflito: quer dizer que, se eu viajar de férias, com previsão de ficar fora de casa por um período mais longo e perder o meu celular, não poderei comprar um chip com o meu número, porque estou fora das FRONTEIRAS da TIM BRASÍLIA? Me explica isso produção...

quinta-feira, 23 de julho de 2015

No meio do caminho tinha um pintor... Criando!


Criador e criação em andamento
Por katia maia

Quando a gente vai a uma exposição, já espera encontrar um momento de inspiração. Mas, quando a gente chega ao local e tem a oportunidade de presenciar a inspiração acontecendo, aí é maravilhoso.

Hoje, tive a grata surpresa de presenciar a criação de uma obra ao vivo e em tempo real. Divino, simplesmente divino!

Ao chegar ao CCBB-DF para ver a exposição Bracher – Pintura ePermanência de Carlos Bracher, eu já sabia que veria a arte em estado puro e me deleitaria com as telas do artista. Já tinha lido sobre o trabalho dele e tinha uma missão especial de ver e avaliar o artista para um projeto ainda em gestação. 

formas, inspiração, rabiscos, arte!
Entrei na galeria um, olhei, me encantei com os traços e me senti feliz por ter a oportunidade de ver o trabalho do pintor mineiro “considerado um dos grandes mestres brasileiros a deter o domínio da pintura sobre tela”. 

Imagine, então, a minha surpresa ao sair da galeria dois  perceber uma certa movimentação no pátio do CCBB-DF e perceber que estava lá, nada mais nada menos do que o próprio Bracher, na iminência de começar a criar!

Isso mesmo, ele, o artista estava lá, com uma tela em branco àsua frente e se preparando para descarregar naqueles espaço ainda vazio um momento capturado por sua mente e seu talento.
De repente, música clássica ao fundo, plateia atenta – crianças e idosos em sua maioria – e o artista começa seus rabiscos. 

E assim ficou a obra...
Primeiro, apenas traços em carvão. Formas soltas e jogadas sobre a tela vazia. Para mim, na minha santa ignorância, quanto mais ele rabiscava, mais a obra ficava completa. E quando ele terminou com o carvão, pensei: perfeito!

Mas, não era nem o começo. Para mim, daquele jeito, a obra já estava irretocável, mas o criador seguiu em frente e, pincel, tintas, cores, natureza, paisagem, plateia e uma hora depois... a obra!



A paisagem inspiradora
Coisas que acontecem no nosso dia a dia e nos surpreendem.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Amigos, amigos, amigos!!!!


No dia do amigo, amigue-se. Mas, faça isso com força e com vontade! Seja gentil, ria bastante e relembre os bons e insubstituíveis momentos com seus amigos. São eles que estão ao nosso lado por opção e não imposição. Vieram, viram, viveram histórias com a gente e resolveram ficar.

Amigos que não nos vê há séculos, mas que, no momento do reencontro, parece que não se passou um segundo. Amigos queridos, amigos verdade, amigos família, amigos de sangue. 


Agradeço a cada um que me considera amiga e que não desiste da nossa amizade, mesmo me conhecendo e sabendo que sou um tanto relaxada. Relaxada, sim, mas esquecida nunca. Lembro sempre de todos, quero ver todos, mas – minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa – sucumbo! E termino o dia em casa, prometendo que amanhã vou ligar, ou,  mandar um whatsapp ou mandar boas energias, que é o que mais faço quando me pego pensando nos meus amigos queridos... sintam-se abraçados no dia de hoje e sempre e mais e em dobro.