quarta-feira, 20 de março de 2013

Lembranças de quê? Pra quê?


(Texto que encontrei no fundo do baú)

da série #naftalina

Então, resolvi deixar as lembranças partirem. Percebi que elas estavam me atormentando e que eu precisava liberá-las e perdoá-las.  Durante muito tempo, me prendi a elas, todas elas. As boas e as más e percebi que mesmo as que me eram agradáveis me faziam sofrer.
Percebi que me apertavam o peito e me faziam chorar pela nostalgia de algo que não voltaria mais. Então, decidi: as expulsei sem dó nem piedade.
Agora será assim: uma vida de presente e futuro. Não quero me apegar às lembranças. Coloquei todas numa caixa e a caixa num baú e o baú despachei. Tranquei com um cadeado cuja senha fiz questão de esquecer. Foi isso que a vida me ensinou: a enterrar as lembranças. Elas só me fazem mal. Sofro imensamente com a saudade e a frustração do que não pode mais ser o que era antes. Então, fora! Fora daqui do meu peito lembranças. Não perturbem mais o meu sono, não torturem mais o meu presente e não tropecem mais nos meus sonhos. Vão e não voltem!

sexta-feira, 1 de março de 2013

Draminha de fim de sexta feira

por katia maia

da série #prontofalei

Tem dias que terminam de uma forma murcha. Não deveria acontecer com as sextas feiras, mas infelizmente acontece. E é nesses momentos que a gente sente um vazio enorme. Uma sensação de "eu poderia fazer tanta coisa" e aqui estou, de frente para o computador, digitando e desabafando sobre a minha 'tristezinha' de não ter feito o que eu programara para essa sexta.
Posso dizer que isso passa a acontecer com mais frequencia conforme a idade avança. Na minha juventude, nos meus idos 20 anos, certamente não havia espaço para esses draminhas. Eu nem pensava nisso. O programa era certo, a balada era certa, encontrar os amigos era certo.
Agora, não. Agora, tudo depende de um monte de coisas. Um monte se 'senão', 'se' etc etc.
Aí eu fico assim, quietinha, pensando se está tudo bem, se a 'vibe' é essa mesma...
Eu até acho que pode ser. Claro, que hoje em dia, ficar em casa, ver um bom filme, ler um bom livro, são opções que me deixam bem animadas. Mil vezes mais do que a balada. Mas...
Sair um pouco, circular e viajar ainda me fascinam e quando encaro um fim de sexta feira como esse - quando eu tinha planejado uma saída da cidade, uma ida básica ao Rio de Janeiro, ver o mar, desopilar... E, percebo que a coisa murchou. É bem razoável que eu me sinta esvaziada e triste. É ou não é?