quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Com a bunda exposta na janela pra passar a mão nela!

O oficial de Justiça e o...
Que país é este?

Preço da gasolina cai - anunciado pela Petrobrás - mas, o preço sobe!
Preço da gasolina sobe - anunciado pela Petrobrás - e o preço sobe mais ainda!

Oficial de justiça vai notificar presidente do senado e presidente do senado mente, diz que não está, desrespeita a justiça, faz o oficial de bobo e a vida continua!

Corta... Edita

No avesso, do avesso, do avesso...
No dia seguinte, a Suprema Corte do país - que teve uma decisão sua desrespeitada quando o sujeito se recusou a receber o oficial de Justiça - resolve premiar este mesmo sujeito, dizendo que ele pode continuar presidente do Senado Federal. 

Ah, mas tem um porém: ele não poderá ficar na linha sucessória da presidência da República, contrariando o que diz a constituição. Ah, tá... Agora, sim. Está tudo claro: 

Estamos #comabundaexpostanajenelaprapassaramãonela

ah, sugestões de hashtags para este post:
#supremotribunalfederalserebaixou
#Renanvenceu
#opovoperdeu
#oficialdejusticaperdeu
#Brasilperdeu

p.s. aceitamos sugestões.


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

La naturaleza! #Gramado3

Pintura da natureza
Se a cidade de gramado já é um Show para o Turista - e olha que fui em setembro. Em dezembro o espetáculo ganha muito mais brilho com a decoração e a programação de Natal – a região ao redor é também um convite para passeios bem legais. Tem de tudo: tem para quem gosta de passeios ecológicos, para quem gosta de parques temáticos, para quem gosta de frio, de vinho, de história.

Hoje vou falar de minha ida à cidade, grudada em Gramado, Canela. Lá tem um lugar muito show para se visitar: a cachoeira do Caracol, que fica no Parque do Caracol, bem pertinho de Gramado (menos de 10km)  dá para ir correndo ou de bike (RS). Aliás, se tem algo que eu lamentei, foi não ter levado a minha bike para dar umas pedaladas por aquela região: é belíssima, tem estradas boas e muita subida para esquentar.

Bom de volta ao Parque do Caracol, o local é um cartão postal. O Acesso é pago (R$ 18,00 a inteira e R$9,00 a meia). O acesso à cachoeira é tranquilo. A gente pode apreciar a beleza do mirante, que fica bem em frente à queda d´água de mais de 130 metros.

Olha ela: a Cachoeira!

A nota ruim é que o Parque tem um teleférico para um passeio sobre a mata e uma escada que leva até a base da cachoeira, e ambos estavam interditados quando eu estive lá. Portanto, não pude experimentar. Aliás, quanto ao teleférico, já conversei com outras pessoas que me disseram que o mesmo ocorreu: estava interditado quando visitaram o parque. 

Não sei se dá para ver o teleférico interditado.


Então, #ficadica para os administradores do espaço – tem muita gente indo por aí e encontrando o dito teleférico interditado. Bom, a verdade é que o local é belíssimo e tem uma energia mega super boa. O rio que passa lá embaixo lembra aqueles rios de rafting. Tem muita pedra e correnteza.

Entrada do Parque


O Parque dispõe ainda de trilhas e dá para dar uma passeada. Então, vá de tênis e aproveite para caminhar, correr e respirar.

A Ferradura!


Do parque do Caracol dá pra ir ao Parque da Ferradura. Também outro lugar maravilhoso para quem curte natureza. A vista do vale da Ferradura é simplesmente divina. Sabe aqueles lugares da natureza que faz a gente se emocionar e se sentir bem pequenino frente a tanta energia? Dá para ficar ali no mirante horas somente apreciando, meditando, recarregando as energias.

Óia nóis aí...



 

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O Show de Truman... ops, de Gramado!

A Matriz São Pedro

A Matriz São Pedro
Gramado é uma cidade daquelas que a gente nem acredita que existam no
Brasil Tudo limpo, prefeito, bem cuidado, com o povo solicito e simpático, trânsito ok – lá se para na faixa sem que o pedestre tenha que sinalizar que vai atravessar – pessoas felizes.
Por um momento, pensei que estava no Show de Truman e que a qualquer momento eu iria descobrir o backstage daquele cenário perfeito.  

Felizmente, não encontrei a pontinha do cenário e tudo se manteve perfeito durante minha estada em Gramado. O centro da cidade foi nosso ponto de partida para a aventura em terras gaúchas. A cidade é tipicamente turística, assim sendo, estava cheia de... Turistas! O local é belo.

Ali, na via central, fica a Matriz São Pedro, uma igreja toda feita de pedras basálticas bem no centro de Gramado com belíssimos vitrais sacros.  Na frente da Paróquia, tem uns jardins e local para a gente sentar e admirar a paisagem. Um belo local para se deixar ficar e admirar, seja dentro da paróquia ou do lado de fora.

Os vitrais criam uma iluminação especial
Ali perto, no centro mesmo, tem a sede do Festival de Cinemade Gramado. Local onde acontece o evento que acontece em agosto. No hall de entrada do local tem um Kikito em tamanho gigante. Dá para tirar umas fotos ao lado da premiação e ainda visitar a calçada da fama que tem em frente com as ‘maozitas’ de celebridades como Selton Melo, Antonio Pitanga, Antonio Fagundes etc.
Nós e o cinema

Do Palácio dos Festivais, o legal é dar uma caminhada pela avenida central de Gramado. Ali tem muitos cafés e váaaaarias lojas de chocolate. E o melhor: cada loja tem degustação dos seus chocolates. Então, esqueça dieta, nada de peso na consciência e manda ver! Ali, é um lugar pra gente ser feliz e aproveitar. Dá para degustar os chocolates e também os vinhos. Várias lojas vendem vinhos coloniais muito bons e a um custo bem legal. Tipo comprar três garrafas por R$54,00. Eu fiz a festa!
O Palácio dos Festivais

No centro de Gramado tem também a rua coberta. Uma via super charmosa que lembra as Ramblas de Barcelona. Cheias de restaurantes, com cardápio bem variado, ambiente aconchegante. Quando eu fui estava frio e tinha aqueles aquecedores de chão que criam um calor no ambiente que parece que o calorzinho abraça a gente.

A Rua Coberta me lembrou as Ramblas de Barcelona
Ah, nos cafés, não deixe de experimentar os chocolates quentes, claaaaro! Eu Me acabei. Esqueça os chocolates que você já experimentou e peça a versão cremosa. É dos Deuses.

A Fonte do Amor Eterno e seus cadeadinhos em volta

Voltando lá para o início da nossa caminhada, quando a gente estava na Matriz São Pedro, ao lado tem a Fonte do Amor Eterno. Essa dispensa comentários. O nome já diz tudo, Né? Só que ela é uma fofa: está rodeada de cadeados, colocados por casais apaixonados que juram amor eterno e solidificam a união com um cadeado colocado na linda Fonte do Amor Eterno. Ahhhhh, o amor!
Nós e a Fonte, claro!
Só para contar e sem querer quebrar o clima romântico com que finalizo este post: você pode levar seu próprio cadeado ou comprar ali mesmo no local. Tem uma lojinha que vende e que até grava o nome do casal.  Love is in the air...

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Uma boa promoção me levou a Gramado

As flores sempre impecáveis e bem cuidadas
Pelos caminhos da vida, este ano, fui a alguns. Conheci novos e revisitei antigos. Já falei aqui de Porto Seguro, agora dedico meu tempo a fala da viagem que fiz a Gramado, no Rio Grande do Sul.
Fui visitar a cidade por mero acaso do destino. Um dia, estava eu zapeando no meu e-mail – sim, zapeando, porque chega tanta coisa na minha caixa de entrada que ás vezes me dedico a dar uma atenção àquilo que não pedi e me enviaram. Faço isso quando estou a toa, ou seja, quase nunca (RS) - . Então, foi aí que vi um e-mail enviado pela Loja da TAM Viagens, local onde alguma vez em algum passado, comprei umas passagens e eles ficaram com o meu correio eletrônico para mandar ofertas.
Sabe que esta oferta era boa! Eles me ofereciam uma viagem para dois pelo preço de uma. Para isso, eu teria que comprar por meio do programa Mastercard Surpreenda. O preço? Eu poderia comprar quatro noites (cinco dias) em Gramado por R$1,5 mil com passagem aérea e hospedagem e para duas pessoas e em dez vezes!
Festival de Gramado

Bom, nem pisquei. Corri na loja e agendei a viagem para oito meses depois e nos mandamos para Gramado. Uma cidade que todo mundo ouve falar, sente vontade de ir, mas, no meu caso, nunca foi uma prioridade. Ficava sempre naquela de “um dia eu ainda vou”. Pois é, fui!
Fomos a nossa aventura no mês de setembro. Entre 27 e 01/10. O voo de Bsb a Porto Alegre durou duas horas e pouco. Ao chegarmos, alugamos um carro no aeroporto mesmo e tocamos para Gramado. Tudo novidade! Nunca tinha ido ao Rio Grande do Sul a lazer, sempre a trabalho.
Pois bem, o frio estava presente no ambiente. Já cheguei numa temperatura de uns 15 graus. Sou mega friorenta, mas amei! Amo o frio.
Adoro o frio!


A estrada até Gramado é bastante movimentada, mas tranquila de se enfrentar. Ainda mais quando não se está com pressa. No caminho, passamos por Nova Hamburgo, cidade dos sapatos e já me programei para, na volta, fazer algumas ‘compritchas’. Logo descobri que, ao longo da estrada, há dezenas de lojas de calçados e jaquetas de couro. Amei!

Nós dois e os gramados

Em gramado, ficamos hospedados no hotel Galo Vermelho. Um hotel, digamos, ok. Acho que cabe esta classificação. É um três estrelas, confortável, staff simpático, prestativo, quartos com aquecedor.  O café da manhã fica um pouco a desejar quando se pensa em um café colonial.

Bom, fico por aqui. Falo mais no próximo post

O hotel!

A vitória do próprio umbigo.

Os Simpsons, retrato da família americana, já previam!
Os norte-americanos sendo norte-americanos. É simples assim. A vitória de Donald Trump para a presidência da maior potência do planeta nada mais é do que o genuíno sentimento americano de que o mundo é os Estados Unidos e sendo assim F**ck o resto que, para os USA citizens são exatamente isso: o resto.
No meio desta madrugada, perdi o sono e resolvi checar o placar do pleito nos EUA e fiquei chocada com o que vi. Trump estava largamente à frente de Hillary, contrariando as pesquisas de opinião que demonstraram claramente que precisam rever suas ferramentas de pesquisas. Perdi o sono!
Mas, qual a surpresa? Os norte-americanos sempre olharam para o próprio umbigo. Para eles, o mundo é uma ameaça que tenta invadir o território sagrado do sonho americano e prejudica a bom andamento da vidinha yankee que levam. Já fui aos Estados Unidos algumas vezes e em todas me senti mal por ser tratada como ‘chincana’. A única vez que me senti mais a vontade foi durante o boom de brasileiros consumindo na terra do Tio Sam.
Naquele momento, estávamos comprando a rodo e isso interessava a eles. Como era bom, gostavam da presença dos brasileiros em seus domínios. Assim como o próprio Trump gostou dos imigrantes para construir sua Trump Tower a um custo de salários baixíssimos.
Mas, o que mais me surpreendeu foi ver sonoras de populares negros, imigrantes e brasileiros declarando que votaram no Trump porque ele não é contra a imigração, mas á imigração ilegal. Pergunta: todos chegaram nos EUA legalmente?A intolerância venceu e assim será a toada dos EUA daqui para frente, com muros, radicalismos e fobias.

É, o 11/9 revela que o mundo avançou, viu, experimentou e globalização, ao mundo sem fronteiras e agora, como no túnel do tempo, retroage. Um país que teve Barack Obama como presidente por dois mandatos acaba com a vitoria de Trump! É a maior nação do mundo querendo construir muros para isolar o resto do mundo. São os norte-americanos olhando e votando no próprio umbigo. O que esperar? O mundo acabou? Fico com a frase do ministro da Justiça da Alemanha, Heiko Maas, que afirmou sobre a vitória de Trump: "O mundo não acabou mas ficará mais louco"

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Um país em construção

por katia maia

Desculpe o transtorno, estamos trabalhando para o seu maior conforto. É assim que me sinto quando percebo no meu dia a dia momentos, atitudes, gestos que hora me fazem acreditar no país, nas pessoas, hora me fazem totalmente desesperançada. 
Não basta danificar...
De repente, numa simples corrida matinal, me deparo com um exemplo e deseducação, falta de espírito coletivo, de não educação. No caminho, o reparo em uma ciclovia torna-se falta de respeito com a coisa pública, com o que é meu, seu, de todos nós. O que era melhoria para todos, transforma-se em egoísmo e prazer de destruir de apenas um. No cimento fresco, a falta de cuidado, e a palavra escrita sem propósito, com que intenção, para quê?  Para danificar apenas? Por quê? Perguntas que não me retornaram respostas no decorrer de minha corrida.
De repente, na mesma corrida matinal, ao atravessar a rua, percebo que um motorista de ônibus pára um veículo daquele tamanho para me respeitar como pedestre e esperar que eu atravesse a via. E olha que eu nem estava na faixa de pedestre. Foi gentileza pura. Apenas isso. Um gesto que contrasta com a grosseria que vivemos no dia a dia. Os insultos que ouvimos constantemente não só de desconhecidos, mas também de pessoas próximas e queridas, que num rasgo de falta de respeito, de carinho ou simplesmente de consideração, te agride e te magoa, sem dó nem piedade. 
Tem que desrespeitar...
Um país que, não importa o grau de instrução, a gentileza ainda tem que ser trabalhada. Porque já dizia o poeta: gentileza gera gentileza. Infelizmente, em alguns momentos, “apagaram tudo, pitaram tudo de cinza...”.

Sigamos!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Pro dia se pôr feliz!

por katia maia

Este blog esteve numa tarde domingo, com o sol ainda brilhando, umaluza maravilhosa e num clima mega acolhedor, para presenciar o rock em estado puro no centro de Brasília. A edição do Nivea Viva Rock foi um presente para os brasilienses. Na cidade celeiro do rock anos 1980, Nando Reis, Paula Toller, Herbet Viana e a atriz Marjorie Estiano como convidada especial.

Um verdadeiro passeio pelo rock, começando por Cely Campelo! Para quem viveu os tempos de ouro do rock em Brasília como eu, foi um revival de primeira linha. Os artista convidados, claro, deram um toque a mais nas canções. 

Que trio! Marjorie, Nando e Paula. Foto: Felipe Panfili

Com os óculos a postos, enfrentamos o segundo sol, e vibramos pro dia nascer feliz porque sempre imaginamos que não foi tempo perdido e apesar de temos sidos todos ovelha negra, queríamos mesmo era nos mudar para uma sonífera ilha e imaginar até quando esperar, enquanto nos sentávamos a dois passos do paraíso. Porque rock é isso! É a nossa vida.

Se as meninas do Leblon não olham mais pra mim!: Paralamas!!! Foto: Felipe Panfili
Nivea Viva Rock embalou mais de 150 mil pessoas (segundo os organizadores) e durante 2h40 fez o brasiliense vibrar. Vi crianças, adultos e a geração 1980, todos juntos cantando as letras e cada um se apropriando do time e da energia que rolou.

A atriz Marjorie substituiu muito bem a cantora Pitty, que não veio por recomendações médicas e cantou ao lado de Nando Reis e Paula Toller com maestria. Milton Guedes, para mim foi um molho a mais no espetáculo. Particularmente, sou fã dele, desde a época dos bares em bar de Brasília. 
 
Milton Guedes e Paula Toller. Foto: Felipe Panfili

O final grandioso trouxe todos os artistas  ao palco e juntos cantaram  O último romântico (Lulu Santos), Pro dia nascer feliz (Barão Vermelho), É preciso saber viver (Roberto e Erasmo) e Agora só falta você (Rita Lee).


O cair do dia, numa tarde de rock! 
 
Rock para todas as idades!
A nota triste da história foi o depois. O parque da cidade ficou coberto de lixo e entulho. Infelizmente, não temos ainda uma população consciente de que sujar área pública é sujar a nossa própria casa. Entramos em contato com a organização do evento  que esclareceu, em nota,  que foi firmado um acordo entre a produção do evento NIVEA VIVA Rock Brasil e os órgãos públicos do Distrito Federal,  e "ficou sob responsabilidade da SLU (Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal) executar a limpeza do Parque da Cidade após a conclusão do show". 

A nota esclarece ainda que "a organização do projeto está somando esforços com o Governo para a retirada total dos detritos no local onde o evento foi realizado, assim como no seu entorno”.

Infelizmente, depois da diversão, a decepção!

Agora, venhamos e convenhamos, tudo isso é uma questão de cultura! Antes do evento começar, a organização pediu ao público para  não jogar lixo no chão e, segundo eles, foram distribuídas muitas lixeiras são  para evitar sujeira no local.Infelizmente, não temos ainda a cultura de que o público é nosso e não do governo. Quando sujamos nossas ruas e espaços públicos , estamos sujando nossas casas, nossa cidade, nossos canto.