segunda-feira, 29 de julho de 2013

Buuuu... Buuuuu... Todo mundo vaia Renato Russo em Brasília!


Por katia maia
@katiamaia

Foto: Agência Brasil
Todos os dias quando acordo, não tenho mais o tempo que passou... Não tinha!  Para a minha geração que viveu a adolescência na capital do país na década de 80, ultimamente estamos tendo bastante do tempo que passou. Pelo menos em uma série de oportunidades para recordar, relembrar e reviver o nosso momento “tão jovens”.

Pode-se dizer, até, que nesse ano de 2013,  estamos tendo uma certa overdose boa – se é que pode-se ver o lado positivo de uma overdose – da efervescência musical que vivenciamos nos idos anos 80. Mais do que um momento cultural, experimentamos nas ruas (também) um pouco do sentimento ‘vamos mudar o mundo’ da campanha pelas diretas e do impeachment do Collor um pouco mais tarde, já na década de 90.

Bom, tudo isso, é para falar do show do Renato Russo - holograficamente representado - nos palcos do Estádio (repaginado) Mané Garrincha, também conhecido como Arena Brasília, da Copa de 2014.  Vinte e cinco ano depois, estava eu, lá, emocionada, recordando...

No primeiro show, lá nos idos das décadas passadas, eu não pude ir. Minha mãe me proibiu. E, como filha rebelde, mas com obediência diretamente proporcional à falta de grana, terminei não indo. No dia seguinte ao show, quando deu no noticiário a hora e a razão da confusão, minha mãe falou, do alto de sua vivencia:
-     -

Foto: Agência Brasil 
            - Eu não falei!?
Falou e disse. O show tinha terminado em tumulto, com gente ferida e muitas vaias ao líder da Legião Urbana.

Bom, corta, edita, e aqui estou eu, mais de duas décadas depois, com um filho de 17 anos e outro de 16, na arquibancada do novíssimo Mané Garrincha, cheia de histórias para contar para meus filhos e cheia de emoções para reviver.

O show começou com atraso, houve uma série de contratempos e em várias ocasiões, o público reagiu.

O início, com a Sandra de Sá, foi desesperador. O som estava péssimo e quase não se entendia o que ela cantava. Ficamos apreensivos. Será que vai ser assim o show todo? (Pensei).

Não foi, o áudio se ajustou. Mas, os contratempos continuaram. A transmissão pelo canal a cabo Multishow, só piorou a situação. O show foi suspenso por uns vinte minutos, meia hora talvez, porque o sinal caiu e o público, que havia pagado para assistir ao vivo, teve que esperar. 

E nessa espera, um dos músicos presentes tentou levar “Eduardo e Mônica” (aliás, foi a única vez que a música foi tocada no show, o que nos faz ter certeza de que não estava na lista do dia).

Não adiantou o esforço do músico com o apoio do público, o sinal não voltou! E aí foi a vez da Zélia Duncan, assumir o microfone, pedir um pouco mais de guitarra para levar a canção “Quase sem querer”, num momento tampão que teve o seu valor para quem estava ali pronto para se deixar levar pela emoção.

O show ainda teve outros contratempos e, claro, vaias. Mas, um show de Renato Russo na capital do país não é show do Renato Russo se não tiver vaias, n’est pas?

A verdade é que passados e superados os probleminhas, o show foi pura vibração. A minha geração que o diga. Nos emocionamos, e muito, com as canções que marcaram uma fase bem fértil do rock brasileiro e, principalmente, da juventude brasiliense que teve a alegria e a honra de viver uma fase tão boa da capital do país. 

Eu  - e muitos outros com os quais conversei depois sobre o show -  fomos às lágrimas com canções com “Tempo Perdido” e “Pais e Filhos”, esta lindamente interpretada por Zizi Possi e Luiza Possi. Aliás, me senti vingada: levei meus filhos e nesse show eu pulei mais do que eles. Dancei, cantei, exorcizei.

Emoção à flor da pele, sem o medo de ser feliz. Me deliciei com a versão de Por Enquanto/Quando O Sol Bater”, no violino de Anne Marie E “Índios”, com Hamilton de Holanda.

Estava tudo tão bom que só podia ficar melhor com a tecnologia que trouxe para o palco a holografia de Renato Russo, cantando “Há Tempos”. Embora tivessem anunciado que seriam duas músicas holograficamente reproduzidas, tivemos que ficar com uma apenas. Mas, tudo bem, valeu assim mesmo.

Ah, antes de terminar, duas historinhas que eu não podia deixar de contar. A primeira foi a falta de bis no show. Ao final, todos os artistas subiram ao palco e cantaram “Será”. Nessa, ficamos nos perguntando: será que vai ter “bis”? Não teve. 

A solução, para acamar o público ávido por mais “Legião”, foi o ex-baixista da banda, Renato Rocha (que deixou o grupo ainda no auge e terminou enfrentando uma história de drogas e mendicância) que tentou levar o ‘hino’ Que país é esse?”. A música (aliás) perfeita para os tempos de manifestação e povo nas ruas que vivemos recentemente, não estava prevista na lista do show e esse ‘timing eles não sacaram e perderam uma  bela oportunidade.  Vá entender.

No fim das contas, saí feliz do show e contei para os meus filhos o ‘momento Renato Russo’ na minha vida, que aconteceu quando eu tinha meus vinte e poucos anos e frequentava o ‘Gate’s Pub’.  Na época, na porta do bar, apareceu Renato Russo.
Tentou puxar papo comigo e uma amiga. Não demos atenção e não me pergunte por que. Diante de nossa indiferença, Renato Russo se virou para nós duas e disse:
-       buuuuu, buuuuuu, buuuuu... Pode vaiar, todo mundo vaia Renato Russo em Brasília.
Dito isso, deu meia volta e partiu. Foi a última e única vez que vi Renato Russo na vida.

Blade Runner para bebês?

por katia maia Com meus filhos crescidos, adultos e já homens feitos, não preciso mais pautar minhas idas ao cinema aos horários, ses...