sexta-feira, 31 de julho de 2015

No meio do caminho tinha um artista - Parte 2

Tietando o artista
por katia maia

Começar uma sexta-feira de trabalho com uma conversa com um artista plástico do porte de Carlos Bracher é realmente um presente. Eu já conhecia a obra do artista e recentemente tive maior contato com sua arte ao visitar a exposição Bracher – Pintura e Permanência, no CCBB de Brasília.

No dia, quando fui à exposição, o artista estava lá fazendo uma intervenção e eu, já fã de seu traço, acompanhei o processo de criação do artista, que pintou uma belíssima tela a partir dos elementos que tinha ali no momento, como
o público presente, os monumentos (Ponte JK ao fundo)  e o CCBB. Fiquei maravilhada com o passo a passo de surgimento de uma tela daquele porte.
Atenção às palavras do artista

Pois bem, corta, edita, chegamos ao dia 31 de julho de 2015 e, para minha surpresa, o artista estava lá  no meu  trabalho. Tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente, conversar, compreender um pouco mais do artista. Uma pessoa que se mostrou apaixonada por JK e sua obra e que demonstrou isso ao citar várias vezes o criador de Brasília: alguém cheio de sonhos, que adorava ler, que se cercava dos melhores e que se mostrou grandioso com sua obra: Brasília.
Selfie!

Bracher me encantou e me senti privilegiada em poder conversar e conhecer um pouco mais desse artista mineiro que, em 2014, teve a sua exposição considerada a melhor pela Associação de Críticos de Arte. No ano, realizaram-se no Brasil mais de nove mil exposições. É ou não um privilégio começar uma sexta-feira assim?  


E aí bla... bla... bla eu gostei

Restaurante Bla´s, na Asa Norte por katia maia Então, fui conferir uma das opções do Restaurante Week dessa leva. O escolhido foi...