terça-feira, 9 de maio de 2017

Violência gera violência... Oi?

Buda: mais tolerância e  menos ira
Por mais que o cliente tenha ficado nervoso, perdido a cabeça, agredido (até) o atendente do estabelecimento comercial com palavras, não cabe à empresa soltar uma nota em que diz que “violência gera violência”. O mundo está do avesso ou é impressão minha?
A verdade é que, todo mundo tem razão até que a perca. Numa briga a não violência é sempre a melhor maneira de se anular a violência. Não consigo imaginar o que dá o direito a um vendedor agredir um cliente.
Existe um ditado budista que fala mais ou menos assim: “não me interessa saber quem começou a guerra, mas quem acabou com ela”. É isso Tecar. Clientes ficam nervosos e a arte de atender bem está em não revidar e deixar o cliente com a “cara mexendo” – como se diz lá na minha terra, no interior do nordeste. Ou seja, a não violência desarma a violência e assim não gera mais agressões. Básico!
Se fosse o contrário, em que mundo estaríamos vivendo? Se o cliente não tem razão, mantenha-o sem a razão, mas não perca a sua se comportando de igual para igual.

Só mais um do mundo budista: “A prática da tolerância ajuda-nos a controlar a mente temerosa e irada.”

P.s. o caso ocorreu na Tecar, uma revendedora de carros aqui de Brasília. Reveja.



Blade Runner para bebês?

por katia maia Com meus filhos crescidos, adultos e já homens feitos, não preciso mais pautar minhas idas ao cinema aos horários, ses...