sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Agenda: eu me rendo!

por katia maia

Tem hábitos que a gente adquire com o passar do tempo, há outros que a gente abandona com o avançar da idade, mas, existe um em especial que eu reluto em incorporar ao meu dia a dia embora saiba que será cada vez mais necessário em minha vida: o uso da agenda.

Lembro-me criança, na escola, quando a professora me obrigava a escrever na agenda a tarefa de casa e eu não suportava. Tinha comigo a certeza de que minha memória era muito melhor e mais eficiente do que aquela perda de tempo que me exigia dedicar preciosos minutos da vida ao ato de anotar o dever para casa.

Bom, tenho que dizer que isso mudou. Claro. Não tenho mais uma professora ao pé do meu ouvido exigindo que eu escreva a tarefa na agenda, mas tenho na minha cola o fantasma do esquecimento que insiste em povoar minha memória.

Memória que, aliás, devo confessar, já não suporta mais toda essa grande quantidade de dados o que me invade os pensamentos a cada instante. Sou obrigada a fazer uma limpeza no disco rígido com freqüência. Chego até a pensar que essa limpeza está acontecendo automaticamente e de forma rápida demais para meu entendimento.

É comum eu só me lembrar do que deveria ter feito durante a semana na sexta-feira. E aí... Bom, aí o tempo já passou, a semana já está no fim e tenho que reprogramar tudo para ‘la semaine prochaine’ como diriam os franceses.

Até coisas que tenho que fazer no fim-de-semana terminam caindo no esquecimento se não faço uma listinha. Sem essa relação, o sábado voa, o domingo vai embora e então vejo que as coisas que deixei para resolver no dois únicos dias livres da minha semana (e da de todo mundo, claro) foram novamente procrastinadas (adoro essa palavra) e aí começa tudo de novo!

Bom, então, levando em conta as considerações feitas anteriormente, eu comunico que o uso da agenda em minha vida está oficialmente instituído a partir desta data e para começar já escrevi minha primeira tarefa do fim-de-semana: olhar a agenda!

Blade Runner para bebês?

por katia maia Com meus filhos crescidos, adultos e já homens feitos, não preciso mais pautar minhas idas ao cinema aos horários, ses...