terça-feira, 31 de agosto de 2010

Programa eleitoral: socorro!

por katia maia

No início parecia pitoresco, engraçado, bufão! O horário eleitoral gratuito (confesso) chegou até a me divertir no seu início. Era engraçado ver o candidato tal dizendo que é o mais confiável, o outro garantindo que o salário mínimo será de R$ 2,5 mil e o outro prometendo algo inédito como educação, saúde e segurança.

Ah, ta! Então está combinado: o Brasil será outro a partir dessas eleições.

Bom. Encheu o saco e eu declaro que não tenho mais paciência alguma para esse monte de baboseira e blá... Blá... Blá que vemos na propaganda eleitoral gratuita. É um festival de figuras ‘nonsense’, sem qualificação alguma pedindo o meu voto!

Meu voto vale muito mais do que as promessas de todos juntos. E comunico e participo: não agüento mais. É muito tempo de rádio e TV para esse monte de nada.

E eu me refiro não apenas aos candidatos cacareco – aqueles que se aproveitam de sua situação pública (cantores de quinta, comediantes decadentes, jogadores de futebol ultrapassados) para se eleger – falo de todos: até dos presidenciáveis. Todos!

Hoje, em seu programa no rádio, Dilma finalmente revelou ao brasileiro: “a saúde pública ainda não atingiu o nível de qualidade que o povo brasileiro merece”. Jura?

- Ah, claro! Agora, sim, alguém teve a coragem de falar a verdade. Agora, temos consciência da situação precária do sistema publico de saúde. Obrigada, Dilma por me fazer enxergar a realidade.

Ora bolas, francamente. Não agüento mais isso tudo.

Ah, e o outro concorrente: o tucano!

Em seu programa, hoje cedo também, falou das estradas brasileiras. Disse que estão absolutamente precárias. Não diga?

Mas, o pior não foi isso. O mais interessante vem depois. Após falar das estradas brasileiras, o locutor do programa de rádio do Serra pergunta por que o tucano é o mais preparado para ser presidente e aí vem o texto:

- porque Serra foi ministro da saúde!

Claro, saúde... Estradas... Acidentes... Atendimentos na rede pública... Ah, bom, captei!

Na boa. Está cada vez mais difícil enfrentar o programa eleitoral gratuito. Mas, como eu sou brasileira, não desisto nunca. Vou insistir. Vou continuar ouvindo as propostas do Fulano sangue bom, lando lanches, Maggie não sei das quantas, Majos aviador, etc etc etc. Firme e forte até o fim porque meu ouvido não é penico mas eu sou teimosa.