segunda-feira, 3 de maio de 2010

Perfil de quem vota em 2010?


Do Valor Economico
Escolaridade do eleitor sobe mais que renda

A escolaridade avançou mais que a renda, a fatia de eleitores mais maduros, evangélicos e urbanos cresceu e a participação das mulheres aumentou. Estas são as principais mudanças registradas em dez anos no perfil do eleitorado brasileiro.

Cotejadas, as amostragens de duas pesquisas realizadas pelo Instituto Vox Populi, em abril de 2000 e abril de 2010, revelam essas mudanças. São igualmente levadas em consideração por pesquisadores de outras instituições, como Mauro Paulino (Datafolha), Antonio Lavareda (MCI), e Alberto Almeida (Análise).

Os especialistas levam em conta estimativas de órgãos oficiais de pesquisa, como o IBGE. A Justiça Eleitoral ainda não tem o levantamento da escolaridade do eleitor deste ano porque o prazo para a mudança de domicílio eleitoral termina na quarta-feira.

Entre 2000 e 2010, o eleitor com o primário incompleto deixou de representar o maior grupo entre os votantes do país. Nas eleições deste ano, a maior fatia dos 133 milhões de aptos a votar será formada por homens e mulheres com pelo menos o ensino médio completo. Um em cada três eleitores tem esse patamar de escolaridade. Em 2000, a parcela dos que haviam completado o ensino médio era inferior à metade daqueles que não haviam concluído o ensino fundamental.

As mudanças no perfil de renda são mais sutis. A fatia da população que ganha até um salário mínimo nas amostragens do Vox Populi subiu de 10% para 18% do total, mas este indicador é bem distinto daquele de dez anos atrás. Em abril de 2000, quando o salário mínimo era de R$ 180, comprava 1,28 cestas básicas em São Paulo. Uma década depois, compra duas. Ainda assim, o sócio diretor do Vox Populi, Marcos Coimbra, aposta em descompasso entre o avanço em escolaridade e renda.

"Está criado um elemento de estresse, porque a ascensão social dos segmentos que passaram mais anos na escola não foi proporcional. O eleitor está consumindo mais informação, demanda mais do poder político e permanece vivendo em um meio desigual", afirma Coimbra.

Para o especialista, a possível frustração por expectativas não atingidas de elevação social se combina com maior experiência política. O eleitorado com menos de 24 anos caiu e aquele acima de 50 cresceu. "Isto significa que o eleitor médio já votou diversas vezes e está acostumado com as polarizações políticas em curso no País. É um elemento que tende a racionalizar a escolha e levar ao descarte de "outsiders" e apostas de risco", comenta. Coimbra minimiza o maior peso evangélico no voto. "Provavelmente essas pessoas que se tornaram evangélicas ao longo da década já tinham um conjunto de convicções semelhante antes da nova opção religiosa", diz. (reportagem completa em O Valor)

E aí bla... bla... bla eu gostei

Restaurante Bla´s, na Asa Norte por katia maia Então, fui conferir uma das opções do Restaurante Week dessa leva. O escolhido foi...