domingo, 8 de novembro de 2009

A culpada é a estudante.

Uniban expulsa aluna vítima de violência
Para assessor jurídico, estudante provocou situação

Simone Iwasso e Flávia Prado
Do Estado de São Paulo
A Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban) decidiu expulsar a estudante de Turismo Geisy Arruda, de 20 anos, que foi perseguida, encurralada e xingada por um grande grupo de alunos nos corredores da instituição, no câmpus de São Bernardo, porque usava um vestido curto. Ela saiu do local escoltada pela polícia. O tumulto ocorreu no dia 22 de outubro e ganhou repercussão, gerando debates sobre intolerância na sociedade, após vídeos terem sido colocados do Youtube.

"Com o término da sindicância e da apuração dos fatos, a universidade decidiu desligar Geisy de seu quatro de estudantes por entender que ela foi responsável, que provocou a situação com sua atitude", afirmou ao Estado o assessor jurídico da Uniban, Décio Lencioni Machado. "Nunca tinha acontecido isso e outras meninas usam vestidos e saias curtas. Ocorreu com ela por causa de sua atitude em querer aparecer, desfilar na rampa, tirar fotos e passar pelas salas", justifica.

A sindicância da instituição decidiu também que suspenderá temporariamente os estudantes envolvidos no tumulto e advertirá funcionários que também foram identificados. Em comunicado, a Uniban afirma que cerca de 600 estudantes se aglomeraram em torno de Geisy na ocasião, "o que resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar".

Ainda de acordo com o texto, Geisy "tem frequentado as dependências da universidade em trajes inadequados e que indicam uma postura incompatível com o ambiente da universidade". A instituição diz que ela foi "alertada constantemente sobre a inconveniência de seus trajes". No dia do tumulto, "colegas indicam que, no interior do banheiro feminino, a aluna se negou a trocar a minissaia por um traje menos provocante".

Geisy, que foi informada sobre a decisão pela reportagem, contou que vai recorrer à Justiça. "A Uniban vai comprar uma briga maior ainda", disse ela, na tarde de ontem. "Eu não sou um problema. Os alunos é que agiram como bichos", afirmou a jovem, que trabalha em um mercado perto de sua casa.

Nehemias Domingos de Melo, advogado da estudante, afirma que tentou contato com a instituição, mas não conseguiu uma posição. "Não fomos informados de absolutamente nada", declarou Melo.

Os dois ficaram surpresos com a decisão da universidade porque, em reunião realizada na quarta-feira com a instituição, eles haviam acertado que ela voltaria a frequentar as aulas amanhã.

"Combinamos que eles iriam selecionar um segurança para me esperar na porta da faculdade e que a imprensa não seria avisada sobre a minha volta. Agora, se eu fui mesmo expulsa, não sei nem o que eu vou fazer", disse a estudante.

O episódio provocou reações diversas dentro da própria universidade. Nos dias seguintes ao ocorrido, estudantes se dividiam entre os que condenavam a atitude de Geisy, reforçando a ideia de que ela provocou as agressões que sofreu, os que não viram tanta importância no tumulto e os que consideraram a reação em massa uma violência exagerada.
COMENTÁRIOS
Comente tambémTodos os comentários

E aí bla... bla... bla eu gostei

Restaurante Bla´s, na Asa Norte por katia maia Então, fui conferir uma das opções do Restaurante Week dessa leva. O escolhido foi...